UE impõe multa recorde de US$ 5 bi à Google por antitruste com o Android

2 min de leitura
Imagem de: UE impõe multa recorde de US$ 5 bi à Google por antitruste com o Android
Avatar do autor

A ação vinha se desenhando desde o começo do ano e agora se concretizou: a União Europeia (UE) volta a multar a Google, desta vez por 4,3 bilhões de euros, o equivalente a US$ 5 bilhões. Esse é o maior valor cobrado pelas autoridades antitruste do bloco econômico e político. A Gigante das Buscas é acusada de dominar 80% do mercado com o Android usando práticas ilegais.

Multa foi calculada com base no valor da receita proveniente de serviços de publicidade no Espaço Econômico Europeu

“Hoje, a internet móvel representa mais da metade do tráfego global da Internet. Isso mudou a vida de milhões de europeus. Nosso caso é sobre três tipos de restrições que a Google impôs aos fabricantes de dispositivos Android e às operadoras de rede, para garantir que o tráfego vá para seu mecanismo de pesquisa”, afirmou a comissária europeia de Concorrência, Margrethe Vestager, em comunicado oficial publicado nesta quarta-feira (18).

“Dessa forma, a Google usou o Android como veículo para consolidar o domínio de seu mecanismo de busca. Essas práticas têm negado aos rivais a chance de inovar e competir nos méritos. Ela negou aos consumidores europeus os benefícios da concorrência efetiva na importante esfera móvel. Isso é ilegal sob as regras antitruste da UE.”

união europeiaMargrethe Vestager

O montante foi estipulado a partir da “duração e gravidade da infração”. “A multa foi calculada com base no valor da receita proveniente de serviços de publicidade de pesquisa em dispositivos Android no Espaço Econômico Europeu. A decisão da Comissão exige que a Google encerre suas ações ilegais, de forma eficaz, no prazo de 90 dias, a contar da decisão."

Google vai recorrer da decisão

A Google argumenta que ao fornecer software Android gratuitamente aos fabricantes de dispositivos, permitiu a proliferação de telefones baratos e, consequentemente, aumentou o acesso a serviços online. A empresa também alega que os usuários podem baixar livremente os serviços rivais.

Companhia pode levar uma multa ainda maior, sobre o valor de faturamento da Alphabet, seu conglomerado controlador

"O Android criou mais opções para todos, não menos. Ecossistema vibrante, inovação rápida e preços mais baixos são marcas clássicas de uma concorrência robusta. Apelaremos da decisão da Comissão", adiantou um porta-voz da companhia de Mountain View. Mudanças devem vir por aí — há até a "sugestão" de que o Android possa deixar de ser grátis por conta disso — e é bem possível que isso atinja todos os fabricantes Android e até mesmo a Apple — que observa atentamente os acontecimentos e pode considerar alterações para não entrar na mira da UE.  

A Google tem 90 dias para resolver no sistema operacional móvel as questões que envolvem vincular softwares de pesquisa e navegador, promover exclusividade de pagamento de aplicativos da Pesquisa Google e obstruir o desenvolvimento e a distribuição de sistemas operacionais concorrentes baseados no Android. Caso ela não resolva a situação nesse prazo, a UE afirma que a empresa terá que arcar com pagamentos de até 5% do faturamento do conglomerado Alphabet, que controla a Google. Ou seja, uma multa ainda mais pesada.

android

Vale lembrar que o valor recorde anterior foi cobrado justamente da Gigante das Buscas, no ano passado, quando foi notificada por US$ 2,7 bilhões pela própria UE, sob acusação de abuso do mecanismo de busca para favorecer seu comparador de preços Google Shopping.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
UE impõe multa recorde de US$ 5 bi à Google por antitruste com o Android