A ZTE pode voltar a enfrentar tempos ruins mesmo após fechar acordo para trocar um banimento nos Estados Unidos por uma multa de US$ 1 bilhão. Isso porque senadores do país norte-americano votaram para restaurar as sanções impostas à companhia após ela ter realizado acordos comerciais com o Irã e Coreia do Norte, países sob bloqueio econômico por parte dos EUA.

Em uma vitória esmagadora, 85 foram a favor de reimplementar as punições contra apenas 10 senadores se posicionando pela manutenção do acordo costurado por esforços de Donald Trump e do presidente chinês Xi Jinping para salvar a ZTE. Vale lembrar que, após ser proibida por sete anos de realizar negócios nos EUA ou com empresas estadunidenses, a fabricante chinesa chegou a anunciar o fim de suas atividades.

Os senadores dos EUA, tanto republicanos (do partido de Trump) quanto democratas (da oposição), invocaram a Lei de Autorização de Defesa Nacional para revogar a decisão de Trump de “perdoar” a ZTE. Apesar da aprovação na casa, novas discussões devem ocorrer também no Congresso do país até que seja produzido um documento final com a decisão.

A Casa Branca, porém, já prometeu acabar com essa medida antes de ela se tornar uma lei de fato. Ou seja, ao menos nas palavras de representantes da administração de Donald Trump, o acordo anunciado no último dia 7 continuará valendo.