Quem costuma jogar no computador sabe como uma placa de vídeo é essencial. Apesar de as GPUs onboard terem evoluído bastante, nada se compara a um hardware dedicado para proporcionar diversão sem quedas de FPS, mesmo que ele não seja o melhor disponível.

Esse mercado sempre foi movimentado por jogadores e profissionais que utilizam recursos gráficos pesados, mas nos últimos tempos mineradores de Bitcoins também aproveitaram o alto poder de processamento das placas de vídeo para gerar dinheiro. Isso fez com que o preço delas aumentasse, e alguns modelos chegaram a se esgotar nas lojas.

Apesar de não fazer feio, para uso geral, com sua GPU onboard, agora a Intel pretende alcançar novos mercados ao lançar uma placa de vídeo dedicada em 2020. A informação foi divulgada em um evento para analistas que aconteceu no começo deste mês.

Não foram informados detalhes sobre especificações, mas o vice-presidente executivo da companhia, Navin Shenoy, confirmou que a empresa pretende atender à área de data centers (aprendizado de máquina, inteligência artificial) e a clientes comuns (jogos e softwares profissionais).

O tempo médio de desenvolvimento de um chip com uma nova arquitetura é de 3 anos, então o prazo anunciado é bem ousado, mesmo para profissionais experientes. Ainda em 2017, a empresa contratou Raja Koduri, que já tinha trabalhado na divisão gráfica da AMD e auxiliou no desenvolvimento e no crescimento da marca AMD Radeon.

A experiência desse profissional será necessária para que a Intel possa competir no mesmo patamar com as duas marcas líderes no mercado, AMD e NVIDIA. Ainda não existem informações sobre como os produtos serão lançados: com uma marca própria ou através de licenciamento da tecnologia para que seja produzida por outros fabricantes.