Pois é! Aqui estamos para noticiar mais um roubo de criptomoedas no mundo. Desta vezm a vítima foi o Coinrail, o câmbio sul-coreano de criptomoedas. No último domingo (10), a bolsa sofreu um ataque hacker e teve que suspender as atividades do sistema por conta disso.

Segundo informações divulgadas no site  que se mantém com uma tela de aviso —, 70% das moedas foram movidas para contas frias e seguras, evitando o roubo. Os demais 30% foram perdidos no ataque.

O Coinrail não deu uma estimativa do prejuizo; porém, segundo informações da imprensa, como as do site Yonhap News, o rombo pode chegar a US$ 37,2 milhões — valor que as autoridades estão tentando recuperar.

Nas últimas 24 horas antes do ataque, a bolsa movimentou cerca de US$ 2,8 milhões — uma das cem maiores movimentações de moedas virtuais do mundo. Desde então, o site suspendeu as atividades e permanece com a tela de explicação sobre o ataque.

Força-tarefa para recuperar o prejuízo

O Coinrail tranquilizou seus clientes informando que 20% do valor roubado poderão ser recuperados, por meio de parcerias com as demais agências, para as quais as moedas foram transferidas. E eles estão trabalhando firmemente nessa missão.

Os outros 10% ainda estão sob investigação. A bolsa está confiante nas autoridades para localizar e punir os responsáveis pelo ataque, o que poderá demorar até 1 mês, segundo os envolvidos.

Além dos prejuizos para a bolsa em questão, ataques como esses deixam o mercado balançado, fazendo com que os bitcoins tenham seus valores reduzidos e a insegurança dos investidores aumente. Hoje, por conta desse rombo, o valor do bitcoin caiu cerca de 10%.

Esse tipo de roubo não é novidade e, segundo uma pesquisa, só em 2018 os ataques a bancos de criptomoedas já somam US$ 1,1 bilhão em prejuízos. Podemos citar o ataque do Coincheck, do Japão, que significou um rombo de US$ 420 milhões.

Para quem tiver interesse, a empresa divulgou uma URL em que são mostradas as movimentações do ataque.