A privacidade dos dados dos usuários tem sido um dos assuntos mais discutidos nos últimos tempos, e claro que os aplicativos de mensagens não poderiam ficar de fora. Devido ao uso de criptografia de ponta a ponta, boa parte deles tem dado dores de cabeça a governos que querem acesso às conversas que existem ali; o último foi o Telegram, que tem como um dos seus princípios nunca divulgar um byte sequer de dados dos usuários para terceiros — incluindo órgãos públicos.

Essa rede social russa é conhecida pelo armazenamento na nuvem, versões para web e desktop e, principalmente, por utilizar criptografia em suas comunicações, recurso que incomoda bastante as autoridades locais quando o assunto é a investigação de atividades suspeitas; recentemente, o país exigiu que os desenvolvedores dessem acesso às chaves da codificação para investigar seis pessoas acusadas de terrorismo, e o Telegram não cedeu.

Se você acha que a situação ficou feia para o app depois da recusa, acertou. Agora, sobrou para a Apple dar uma ajuda na briga; as autoridades perceberam que bloquear a rede social não é uma tarefa fácil, já que eles conseguiram restringir apenas 15% a 30% do seu funcionamento. Assim, o governo entrou em contato com a multinacional americana para que a empresa remova o aplicativo da App Store — e, como se não bastasse, também não mostre as notificações push para os usuários russos, para que eles não saibam quando receberem novas mensagens.

Agora, a companhia tem 1 mês para responder aos pedidos oficiais. "Mas o que acontece se eles não atenderem às demandas?", você deve ter pensado. Bom, ainda não há nada definido, mas o diretor da agência de fiscalização local declarou que não gostaria de prever novas ações — pelo menos até o momento.

Cupons de desconto TecMundo: