De acordo com um estudo do Satis Group — uma consultoria em venda inicial de criptomoedas  — 81% de todas as ICOs (Initial Coin Offering – Oferta de Criptomoeda Inicial) recentes eram, na verdade, fraudes. Segundo o Satis Group, as empresas envolvidas na criação dessas moedas falsas nunca tiveram a intenção de completar seus projetos, mas sim de desaparecerem com o dinheiro dos investidores em determinado momento.

Além dos 81% de fraudes, 6% de todas as ICOs analisadas falharam. Elas conseguiram levantar os fundos necessários para realizar seus projetos, mas tiveram problemas na execução e precisaram devolver o dinheiro aos investidores.

Apenas 8% conseguiram ou estão conseguindo algum nível de sucesso

5% das ICOs analisadas no estudo ainda foram consideradas “desaparecidas”, uma vez que conseguiram levantar seus fundos, mas foram abandonadas por alguma razão. Por fim, apenas 8% conseguiram ou estão conseguindo algum nível de sucesso.

O estudo classifica esse sucesso com alguns critérios, mas o importante é entender que a criptomoeda que deu certo é aquela que foi adotada pelas corretoras para compra e venda no mercado internacional.

Dessa forma, se você é um desses investidores que está em busca de uma grana rápida com ICOs pela internet, é bom ficar muito atento e tentar evitar projetos que parecem minimamente suspeitos. As chances de ser enganado, segundo a Satis Group, são gigantescas.