A CEO do YouTube, Susan Wojcicki, anunciou ontem (13) no SXSW 2018 que a plataforma de vídeos passaria a importar conteúdo da Wikipédia para esclarecer informações exibidas em vídeos que tratam de teorias da conspiração. A ideia do YouTube é essencialmente desmentir ideias muito absurdas que estejam sendo propagadas por vídeos postados na plataforma. No evento, Wojcicki fez parecer que isso se tratava de uma espécie de parceria com a Wikipédia, mas a enciclopédia virtual negou ter feito qualquer acordo com o YouTube.

Em um comunicado oficial divulgado no Twitter, a Wikipédia esclareceu que indivíduos, empresas e organizações não precisam de parcerias ou autorização para usar as informações públicas da sua plataforma, mas meio que condenou o anúncio de Wojcicki por não ter havido qualquer comunicado anterior.

Não nos deram qualquer aviso prévio sobre esse anúncio

“Estamos sempre felizes em ver pessoas, empresas e organizações reconhecerem o valor da Wikipédia como um repositório de conhecimento online”, disse a empresa no comunicado. “Nesse caso, nem a Wikipédia nem a Fundação Wikimedia fazem parte de uma parceria formal com o YouTube. Não nos deram qualquer aviso prévio sobre esse anúncio”, completa o texto.

Esse comunicado ainda ressalta que a Wikipédia é uma plataforma totalmente aberta para compartilhamento de conhecimento e que ela só se mantém no ar por conta das doações de mais de seis milhões de usuários mundo afora. Ao passo que empresas não precisam pagar para usar seu conteúdo, a Wikipédia encoraja essas organizações a fazerem doações em uma espécie de retribuição pelo uso de conteúdo gratuito.

Não sabemos se a Google ou o próprio YouTube pretendem fazer doações à Wikipédia referentes ao uso de informações da plataforma no esclarecimento de informações sobre teorias de conspiração.