Depois da aquisição da 21st Century Fox pela Disney, outra compra de grande porte pode ganhar o noticiário nos próximos dias. Segundo o jornal The Wall Street Jorunal, a companhia de avião norte-americana Boeing estaria interessada na aquisição da brasileira Embraer.

A Boeing estaria interessada especialmente em ampliar a concorrência contra a Airbus, da Europa, e a canadense Bombardier. Atualmente, a companhia nacional é muito bem vista no mercado, especialmente pelo programa de jatos EJets-2. Já a Boeing é atualmente mais focada em aeronaves de grande porte. Atualmente, as duas já trabalham juntas: o marketing internacional do transporte KC-390, da Embraer, é feito pela futura dona.

A notícia da aquisição foi bem recebida pelo mercado: as ações da Embraer dispararam em quase 40%, enquanto as da Boeing caíram em 1,06%.

O Temer tem que deixar

Só que nada ainda está certo — e por vários motivos. Segundo a Folha de São Paulo, por enquanto, poucas reuniões aconteceram sobre o assunto e a aquisição completa ainda não foi cogitada. Porém, a própria Embraer comunicou que ambas as empresas "encontram-se em tratativas em relação a uma potencial combinação de seus negócios".

Ou seja, pelo menos alguma aliança nova vai acontecer entre as duas.

Além disso, o governo brasileiro tem a palavra final aqui — ele é dono da chamada "golden share" ("ação dourada", em tradução livre), capaz até mesmo de vetar decições tomadas pela companhia.

De acordo com o G1, o presidente Michel Temer é contra a aquisição completa e o controle dos norte-americanos, mas não vê impedimentos na realização de parcerias. "Em meu governo, a Embraer jamais será vendida”, afirmou Temer, que disse ainda que irá analisar a proposta "com cuidado".