E as notícias bizarras envolvendo pessoas que tentam carregar seus celulares em lugares inapropriados continuam. Depois do rapaz que causou um alvoroço ao subir no palco de uma peça da Broadway para conectar seu carregador a uma tomada – que era falsa, diga-se de passagem –, agora é a vez de um artista plástico londrino ser preso pelo mesmo motivo.

O britânico Robin Lee, de 45 anos, estava viajando em um trem na capital inglesa quando avistou uma tomada no interior do vagão, que decidiu usar para carregar a bateria de seu iPhone. Pouco tempo depois, ele foi abordado por uma oficial da Polícia Metropolitana de Londres que também estava no transporte público, e que o acusou do crime de “subtração ilegal de energia”.

Ao chegarem à próxima estação, havia mais quatro policiais aguardando para embarcar no veículo e a oficial que estava falando com Lee informou a situação a eles e solicitou que o artista fosse levado sob custódia. O homem foi algemado, colocado em uma van e levado para uma delegacia, onde a situação foi esclarecida e ele foi solto.

O britânico Robin Lee e a ocorrência registrada contra ele por "subtração de energia" - Imagem: London Evening Standard

No entanto, segundo declaração de um porta-voz da polícia, ele foi preso novamente devido ao seu comportamento agressivo e inaceitável diante da primeira acusação. Subtração de energia de fato é um crime, punível com até cinco anos de prisão, segundo a seção 13 do Theft Act – parte da Constituição britânica que trata dos crimes de roubo –, de 1968.

Além disso, a tomada em questão possuía um aviso explicitando que só deveria ser usada pelo pessoal de limpeza dos vagões e não pelo público. Uma vez que há uma interrupção na alimentação sempre que o trem passa de uma subestação elétrica para outra, isso poderia danificar os aparelhos conectados durante a viagem.

Cupons de desconto TecMundo: