Com lançamento programado para a próxima semana, o iPhone 6s e o iPhone 6s Plus mantêm a tradição da Apple de lucrar valores substanciais com a venda de cada unidade de seus produtos. Enquanto a versão mais compacta do dispositivo vai ter o preço inicial de US$ 649, o modelo mais caro poderá ser encontrado por US$ 749 — ambos em suas versões desbloqueadas.

Segundo uma pesquisa conduzida pela Merril Lynch, embora a Apple gaste mais com os componentes de seus novos aparelhos, o valor investido ainda é muito menor do que o cobrado pelos produtos finalizados. Uma pesquisa conduzida pela empresa mostra que, entre semicondutores, componentes e outras partes, a Companhia da Maçã gasta US$ 234 em cada unidade de seu smartphone.

Metade dos gastos está relacionados ao processador e ao sistema de comunicações, incluindo US$ 25 pelo chip A9 de 14 nanômetros, US$ 20 pela memória flash de 64 GB e US$ 36 pelas peças de rádio. Além disso, US$ 22 são gastos no sensor de impressões digitais, em uma lista que inclui diversas outras partes, como o chassis de alumínio que custa US$ 33 por unidade.

Vale notar que o custo estimado pela Merril Lynch é baseado na versão de 64 GB do iPhone 6s, sendo que pequenas variações devem ocorrer nas demais opções de memória — nada substancial a ponto de fazer o valor ser muito maior ou menor. Nesse contexto, o fator que deve diminuir um pouco a frustração dos consumidores Apple de pagar tanto a mais pelos smartphones é o fato de que os smartphones da companhia tendem a desvalorizar pouco com a passagem do tempo.

Cupons de desconto TecMundo: