Starlink 2.0: Elon Musk revela detalhes sobre os novos satélites

1 min de leitura
Imagem de: Starlink 2.0: Elon Musk revela detalhes sobre os novos satélites
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Há pouco menos de duas semanas, Elon Musk se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro no Brasil para conversar sobre uma parceria envolvendo o projeto Starlink. Agora, em um vídeo do canal Everyday Astronaut no YouTube, o CEO da SpaceX comentou sobre alguns detalhes da nova geração de satélites.

Conforme revelado por Musk, o satélite Starlink 2.0 será lançado com 7 metros de comprimento e peso de 1,25 toneladas e, em comparação, a primeira versão pesa apenas 260 kg. O peso é maior por conta de um satélite mais eficaz e o bilionário também afirma que a primeira unidade do Starlink 2.0 já foi produzida.

“Pense nisso como quantos bits úteis de dados cada satélite pode fazer. O Starlink 2.0 em termos de bits úteis de dados é quase uma ordem de magnitude melhor do que um Starlink 1.0”, disse Musk em entrevista no canal.

Um novo foguete

Atualmente, a versão original do Starlink é enviada em um foguete Falcon 9, contudo, o peso dos novos satélites é muito alto e impossibilita a viagem do foguete. Segundo Musk, o Falcon 9 não tem volume ou massa para enviar o Starlink 2.0 à órbita da Terra.

Então, a SpaceX está trabalhando para usar o foguete Starship, que está sendo desenvolvido e testado para enviar cargas pesadas ao espaço. No momento, Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) está avaliando o impacto do programa Starship, que já atrasou o lançamento algumas vezes — o relatório da FAA é esperado para junho de 2022.

Atualmente, existem cerca de 2300 satélites em órbita, mas o plano de Musk é lançar um total de 42 mil satélitesAtualmente, existem cerca de 2300 satélites em órbita, mas o plano de Musk é lançar um total de 42 mil satélitesFonte:  SpaceX 

Recentemente, alguns funcionários da agência espacial norte-americana NASA escreveram uma carta para o FAA expressando preocupação sobre o Starlink 2.0. A carta comenta sobre o risco de colisão com vários satélites e naves da agência.