Google e Facebook tomam multa milionária por política de cookies

1 min de leitura
Imagem de: Google e Facebook tomam multa milionária por política de cookies
Imagem: Casimiro PT/Shutterstock
Avatar do autor

A Alphabet e a Meta, holdings donas do Google e do Facebook, respectivamente, receberam multas milionárias na França por causa da política local de cookies. Enquanto a primeira foi penalizada em 150 milhões de euros (cerca de R$ 967 milhões na cotação atual), a segunda terá que pagar 60 milhões de euros (R$ 386 milhões).

As gigantes da tecnologia foram autuadas pela agência da França de Proteção de Dados (CNIL). A entidade alega que é preciso balancear a dificuldade e a facilidade de se aceitar os cookies dos sites, que são pequenos arquivos que mantêm o registro de navegação dos usuários na internet.

De acordo com a autoridade francesa, os sites facebook.com, google.fr e youtube.com dificultam bastante a recusa de armazenamento dos cookies dos usuários. Enquanto isso, Karin Kiefer, chefe da CNIL, disse que aceitar os cookies dessas páginas é feito “com apenas um clique”.

CNIL

Além de terem três meses para cumprir a penalização, que pode gerar multas extras de 100 mil euros por cada dia de atraso, tanto Google quanto Facebook terão que remodelar seus sites. O CNIL ordenou que as empresas simplifiquem as ferramentas para que os usuários tenham facilidade para recusar os cookies.

O valor da punição para a Alphabet é, inclusive, um novo recorde. Em 2020, a própria dona do Google já havia sido multada em 100 milhões de euros (R$ 645 milhões na cotação de hoje) por quebrar regras de consentimento das pessoas. A gigante enfrenta na Europa processos de monopólio e outras práticas comerciais consideradas ilegais.

O outro lado

Ambas as empresas se pronunciaram sobre o caso e disseram que estão analisando a decisão, e que tomarão medidas para se adequar. "As pessoas confiam em nós para respeitar seu direito à privacidade e mantê-las seguras. Entendemos nossa responsabilidade de proteger essa confiança e estamos nos comprometendo com mudanças futuras e um trabalho ativo com a CNIL à luz dessa decisão", disse um porta-voz do Google em resposta à Reuters.

Ao g1, o Facebook comentou que está "analisando a decisão da agência reguladora e seguimos comprometidos em trabalhar com as autoridades". "Nossas opções sobre consentimento de cookies garantem que as pessoas tenham mais controle sobre seus dados, incluindo um novo menu de configurações no Facebook e no Instagram em que os usuários podem rever e gerenciar suas decisões a qualquer momento", diz trecho da nota da companhia.