No dia 25 de janeiro, o YouTube divulgou que não recomendaria mais vídeos sobre teorias da conspiração, incluindo aqueles que afirmam que a Terra é plana. Semanas depois, um grande criador de conteúdo da rede, Shane Dawson, publicou dois vídeos abordando várias conspirações, totalizando 3 horas de material e mais de 62 milhões de views.

Embora não tenham entrado para a seção de tendências, os vídeos de Dawson, que possuem vários anúncios, apareceram na página inicial do YouTube quando foram lançados. Agora, outro dos maiores youtubers do mundo, Logan Paul, que tem mais de 18 milhões de inscritos, publicou o trailer de um documentário que pretende lançar no dia 20 de março sobre a teoria da conspiração que afirma que a Terra é plana. Em 24 horas, o vídeo já passou de 1,2 milhão de visualizações.

Ao ser procurado pelo portal The Verge, o YouTube não quis comentar se o documentário de Paul sofreria as novas sanções da categoria de vídeos recomendados, mas disse que ele não seria exibido com um painel de informações para alertar os espectadores sobre o fato de o terraplanismo ser apenas uma teoria e deixou claro que esse tipo de conteúdo ainda será aceito na plataforma.

Ao mesmo tempo que a empresa tenta frear a propagação de desinformação, mostra dar um tratamento diferenciado aos youtubers que captam grandes quantidades de anúncios. É o caso de Logan Paul e Shane Dawson, que fazem parte do Google AdSense e, portanto, geram receita de publicidade com seus vídeos.

Quem é Logan Paul?

Um dos youtubers mais conhecidos do mundo, Logan Paul virou manchete quando postou, no início de 2018, um vídeo no qual visita uma floresta no Japão, conhecida por ser frequentada por pessoas que desejam tirar a própria vida. Ele chegou a mostrar um cadáver que encontrou, sobre o qual fez piadas com seus amigos. O material causou indignação mundial e gerou tanta pressão por parte dos espectadores e outros youtubers que foi removido pelo próprio Logan, que chegou a perder anunciantes por algum tempo.

Uma captura de tela.

Vídeos sobre teorias da conspiração têm atraído cada vez mais a atenção dos espectadores; e os vídeos citados comprovam isso. Até mesmo a Netflix lançou um documentário chamado “A Terra é Plana”, em abril de 2018, mostrando alguns dos argumentos usados para justificar a crença.

De uma forma um tanto irresponsável, youtubers têm se aproveitado de qualquer tema para coletar views e “fazer dinheiro”. De fato, é bem provável que eles nem acreditem em grande parte das coisas que afirmam nos vídeos, mas a questão aqui é a forma como esses assuntos são abordados, sem alertar o público para a possibilidade de as informações serem falsas. Isso acaba criando uma “enxurrada” de equívocos que são repassados adiante, negando fatos que a ciência levou anos, talvez décadas, para comprovar — exatamente em uma época em que referências seguras são tão fáceis de serem encontradas.