Em um artigo publicado no Financial Times e reproduzido no blog do YouTube, a diretora-executiva da plataforma Susan Wojcicki afirmou que será impossível cumprir a proposta de lei de direitos autorais aprovada recentemente na União Europeia.

No texto, Wojcicki afirma que a lei, batizada de Diretiva dos Direitos do Autor, ameaça a economia criativa que faz o YouTube funcionar. Ela cita especificamente o Artigo 13 da proposta, ponto mais criticado pelos congressistas europeus contrários à medida, e afirma que nenhuma empresa teria condições financeiras de cumprir o que é definido nesse trecho.

O Artigo 13 da diretiva prevê que as plataformas em que são hospedadas “quantidades significativas” de uploads – seleção em que o YouTube certamente será enquadrado – serão responsáveis pela criação de filtros para impedir a publicação de conteúdo que viole direitos autorais. Pela descrição, ele deve funcionar de forma semelhante ao Content ID do Google, com a diferença de que precisará ser ativado no momento do upload, impedindo o conteúdo de ir ao ar.

MulherSusan Wojcicki é diretora-executiva do YouTube e está na Google desde a fundação da empresa

Para Wojcicki, o Content ID da empresa já seria a solução ideal para garantir que os artistas e as companhias estejam sendo pagos pelo uso de suas propriedades. Com a lei, a plataforma pode acabar impedindo vídeos legítimos de irem ao ar para não ser multada. “As consequências do Artigo 13 vão além das perdas financeiras. Residentes da União Europeia arriscam ficar sem acesso a vídeos que, apenas no último mês, foram visualizados mais de 90 bilhões de vezes por eles”, escreveu.

A diretiva segue agora para ser discutida em conjunto por Comissão Europeia, Conselho Europeu e Parlamento Europeu antes de ser colocada novamente em votação, algo que deve ocorrer no início do próximo ano. A expectativa é de que o resultado atual, favorável à proposta, seja mantido.