Em dezembro do ano passado, a FCC (Anatel gringa), apoiada pelas grandes operadoras dos Estados Unidos, derrubou a neutralidade da rede, que garantia o tratamento igualitário dos pacotes de dados. Desde então, várias entidades e membros do Senado vêm tentando reverter a decisão do governo Trump e agora um episódio envolvendo o Corpo de Bombeiros do Condado de Santa Clara, na Califórnia, e a Verizon reacende essa discussão.

Verizon teria deixado a conexão mais lenta mesmo com a promessa de quantidade "ilimitada" de dados no contrato

Segundo o chefe do departamento, Anthony Bowden, a Verizon passou a derrubar a velocidade de conexão da web após o dia 29 de junho, apenas duas semanas depois que o fim da neutralidade da rede entrou em vigor em solo ianque. Embora as operadoras já limitassem os pacotes de consumidores sob o argumento de “gerenciamento de rede”, o oficial afirmou que as coisas mudaram. Ele disse que a lentidão passou a ocorrer não somente quando havia tráfego intenso, mas sempre depois de ultrapassar um limite mensal de 25 GB — mesmo que no papel o pacote oferecesse quantidade "ilimitada" de dados.

"O departamento sofreu ‘estrangulamento’ por parte de sua operadora, a Verizon. Isso teve um impacto significativo em nossa capacidade de fornecer serviços de emergência. A Verizon impôs essas limitações, apesar de ter sido informada de que essa ação estava impedindo ativamente a capacidade de fornecermos respostas à crises e serviços de emergência essenciais", reclamou Bowden.

Um veículo da corporação, conhecido por OES 5262, tem a função de rastrear, organizar e priorizar o roteamento de recursos de todo o Estado e até do país para os locais onde são mais necessários durante os momentos de crise. Bowden explicou que justamente a máquina equipada com um SIM card da Verizon é que foi a mais afetada e sua equipe até mesmo utilizou os dados dos próprios planos pessoais para poder fazer o atendimento ideal.

conexão

“As taxas de dados foram reduzidas para 1/200 ou menos, em relação às velocidades anteriores. Isso interferiu severamente a capacidade do OES 5262 de funcionar da maneira ideal. Minha equipe de Tecnologia da Informação se comunicou diretamente com a Verizon por email sobre essa redução, solicitando que a conexão fosse imediatamente restabelecida para fins de segurança pública."

Os representantes da Verizon teriam confirmado a redução de velocidade, mas, ao invés de atender o pedido de emergência, eles teriam indicado um novo plano de dados, que custa o dobro do atual — e que a velocidade só voltaria ao normal após a mudança e o pagamento da nova conta.

Verizon admite erros, mas diz que não se apoiou sobre o fim da neutralidade da rede

Em resposta ao Ars Technica, a Verizon admitiu erro no suporte ao cliente. "Independentemente do plano de emergência escolhido, temos uma prática para remover restrições de velocidade de dados quando somos contatados em situações de emergência. Fizemos isso muitas vezes, inclusive para o atendimento de incêndios trágicos. Nessas situações, deveríamos ter retirado a restrição de velocidade quando nosso cliente nos procurou. Esse foi um erro de suporte ao cliente. Estamos revisando a situação e iremos corrigir quaisquer problemas daqui para frente.”

A companhia diz também que não se comunicou da maneira adequada ao explicar os termos do plano contratado. “Como todos os clientes, os bombeiros escolhem os planos de serviços que são melhores para eles. Esse cliente adquiriu um plano de contrato do governo para alocação de dados sem fio de alta velocidade a um custo mensal definido. Nesse plano, os usuários obtêm uma quantidade ilimitada de dados, que é reduzida quando excede sua cota até o próximo ciclo de faturamento. Isso não tem nada a ver com a neutralidade da rede ou o processo atual no tribunal.”

Bowden discorda. “Essa redução tem tudo a ver com a neutralidade da rede.” O episódio reforça a ação movida na terça-feira (21) por procuradores-gerais de 22 Estados e do Distrito de Colúmbia. O documento pede junto a um tribunal federal o restabelecimento da neutralidade da rede.