Se você tem em torno de 30 anos de idade, é provável que tenha tido contato com as conexões discadas com a internet. Isso mesmo: para acessar a web, era necessário usar nossa linha telefônica fixa e pagar a conta depois como se estivéssemos realizando uma longa ligação. Para driblar as altas cobranças, a saída era usar a internet em horários mais baratos.

Pulsos – e não 'impulsos', como muita gente falava – eram a medida de como se cobrava as ligações telefônicas de aparelhos fixos durante os anos 1990

Assim, você, internauta que já se aventurou a surfar na rede mundial de computadores e sente saudade daquele barulhinho clássico de quando fazíamos conexão, dava aquele jeitinho clássico de não receber uma conta de telefone astronômica no fim do mês – “era só conectar depois da meia-noite para pagar só um ‘impulso’”. Hum, que história mais estranha. Mas vamos tentar explicar um pouco o que realmente acontecia.

aVocê provavelmente já usou um desse para se conectar à internet

Pulsos valiam ouro!

Em primeiro lugar, pulsos – e não “impulsos”, como muita gente falava – eram a medida de como se cobrava as ligações telefônicas de aparelhos fixos durante os anos 1990, quando a internet de fato se popularizou entre as pessoas, e foi assim até meados de 2007, quando as chamadas passaram a ser cobradas por tempo de duração.

Da meia-noite até às 6h da manhã você podia conectar seu computador à internet, e a cobrança seria de apenas um pulso

A contagem de pulsos funcionava mais ou menos assim: o primeiro segundo de chamada já consumia um pulso. A partir daí, era cobrado o que se chamava de pulso aleatório, que podia ter tempo de 1 segundo a 4 minutos. Depois do pulso aleatório, o consumidor passava a pagar o pulso de conversação, que era cobrado a cada 4 minutos. Complicado, não? Por isso mesmo, foi alterado para o sistema de minutos.

A grande sacada é que as operadoras de telefonia tinham horários especiais nos quais cobravam um pulso único, independentemente do quanto se usava da linha. Funcionava assim: da meia-noite até as 6h da manhã, você podia conectar seu computador à internet, e a cobrança seria de apenas um pulso. O mesmo também servia para as chamadas. Assim, dava para economizar bastante sem ter que ficar regulando o tempo online.

aUm modem como esse, da US Robotics, era o "bichão" na época da internet discada

Fim de semana conectado

Cada vez mais pessoas passaram a adotar sistemas de internet por banda larga até finalmente não haver mais usuários na internet discada

Durante os finais de semana, também valia isso – a partir das 14h do sábado e no domingo o dia todo a cobrança feita nas linhas telefônicas em uso era de apenas um pulso. Ou seja: melhor hora para navegar nos maravilhosos sites em HTML cheios de GIFs animados e músicas de background tão populares nos 1990.

Conforme a década de 2000 foi avançando, cada vez mais pessoas passaram a adotar sistemas de internet por banda larga, até finalmente não haver mais usuários de internet discada, para a alegria de mães e pais que sofriam com a linha telefônica ocupada o tempo todo e contas altíssimas quando a gente dava aquela deslizada e ficava muito tempo online fora dos horários de um pulso só.