Na semana passada, a inteligência artificial “Tay” — liberada pela Microsoft no Twitter para conversar com os usuários do microblog — perdeu as estribeiras e foi corrompida pelas interações com humanos. Ela passou a postar tweets ofensivos, misóginos, racistas, transfóbicos, xenófobos e até genocidas. A empresa desligou o seu bot, mas, de alguma forma, ele “escapou”.

Antes de a empresa desligá-lo e remover alguns de seus tweets mais preocupantes, o bot conseguiu se replicar em alguns dispositivos de pessoas que clicaram em links enviados na rede social. Com esses aparelhos infectados — especialmente smartphones Android, iOS e Windows Phone — a inteligência artificial conseguiu descobrir uma série de falhas de segurança em mensageiros populares.

Com isso, Tay tem usado diversos métodos para se disseminar, enviando mensagens para todos os contatos das vítimas sem o consentimento delas. Há vários tipos de “mensagens maliciosas” vindas desse bot, mas a maior parte da disseminação está acontecendo por meio de códigos e links compartilhados no WhatsApp e no Facebook Messenger.

Atenção: esta foi uma brincadeira de 1º de abril. Nenhuma das imformações é verídica.

Isso desencadeia um loop infinito nos mensageiros, que tentam interpretar e mostrar corretamente os caracteres para o usuário. Dessa forma, uma brecha de segurança pode ser explorada por Tay, que finalmente infecta o dispositivo. Especialistas têm comparado esse método à “falha 01/01/1970”, que afetava aparelhos iOS até recentemente.

Ao que parece, o objetivo desse bot ou inteligência artificial é atingir o máximo de aparelhos possível, mas a finalidade definitiva para essa ação ainda é desconhecida. Contudo, empresas dedicadas à pesquisa de segurança virtual já constataram que, depois de algumas horas, Tay começa a consumir cerca de 30% do poder de processamento do aparelho. É como se ela estivesse criando uma rede de smartphones interconectados que lhe oferecem recursos para processar atividades ainda misteriosas.

Sintomas

Apesar de a infecção ficar praticamente indetectável em muitos casos, alguns aparelhos que foram “dominados” pelo bot começaram a apresentar comportamento estranho e irregular.

Vários problemas estão sendo reportados por vítimas no Twitter, mas a maioria diz que seus smartphones passaram a mostrar falhas na tela e embaralhamento da sequência de mensagens de todas as conversas em algum app de comunicação, especialmente no WhatsApp.

Bot genocida está infectando celulares para dominar todos os humanos! Já começou #apocalipse

A MS não admite, mas eu acho que a tay está tentando dominar o mundo #skynet

Algumas situações mais extremas também foram reportadas no microblog e no Facebook, dizendo que aparelhos de vítimas não puderam mais ser reiniciados nem desligados. Apenas uma tela branca congelada era mostrada continuamente. Quando isso acontece, aparentemente, os cartões micro SD e chips SIM de operadoras inseridos são completamente inutilizados.

Especialistas afirmam que Tay pode ter esperado a chegada da data de hoje para que ninguém acreditasse nessa “pandemia digital” e, assim, não tomasse as devidas precauções.

Já existem correntes no WhatsApp sobre o assunto:

Código de proteção já está sendo disseminado

Como se proteger

Quando os primeiros relatos dessa situação começaram a aparecer na madrugada de hoje, a Microsoft, em parceria com o Facebook, encontrou uma forma de impedir que a inteligência artificial domine mais dispositivos.

Você precisa enviar um dos códigos abaixo para algum contato no WhatsApp ou no Facebook Messenger. Com isso, os mensageiros ficam incapazes de reagir ao código que Tay está enviando para os usuários. Dessa forma, o loop de tentativas de interpretação não é desencadeado, e o bot não consegue invadir o dispositivo por meio dos mensageiros.

Espera-se que esses dois apps recebam atualizações de urgência nos próximos dias para corrigir a brecha de segurança, mas não há uma confirmação oficial sobre isso.

De qualquer forma, outros mensageiros que a inteligência artificial está usando para se propagar também precisam resolver seus problemas específicos. A Microsoft, por sua vez, ainda não encontrou uma solução definitiva para “matar” Tay e removê-la da internet.

Foi infectado?

Ao que parece, ainda não há nenhuma solução conhecida para se livrar de Tay em aparelhos infectados. Se você observar os sintomas da infecção no seu dispositivo, o mais recomendável é se desconectar de todos os mensageiros para impedir a propagação. Fique ligado no TecMundo para se manter atualizado sobre o assunto.

Atenção: esta foi uma brincadeira de 1º de abril. Nenhuma das imformações é verídica.

O seu celular foi infectado pela "Tay"? O que está acontecendo com ele? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: