Em uma manobra um tanto quanto inesperada para esse mercado, a Intel fechou uma parceria com a ARM para produzir chips da concorrente para equipar smartphones. A empresa dominante do segmento de processadores para desktops e notebooks, chegou atrasada no campo de dispositivos móveis e perdeu a corrida para a arquitetura ARM.

Porém, isso não significa que a Intel vai começar a produzir chips com a arquitetura da rival, apropriando-se da tecnologia. A empresa poderá apenas fabricar esses componentes, fornecendo-os para outras companhias através de suas linhas de montagem. Outro ponto positivo para a Intel – e para todo o mercado – e a chegada de possíveis variações dos chips, já que a companhia domina o processo de fabricação de 10 nanômetros.

Intel vai começar a fabricar chips baseado na arquitetura ARM

O que isso significa?

A formação dessa parceria é praticamente um "atestado da derrota" da arquitetura x86 da Intel nesse segmento, que já havia sido praticamente decretada com a descontinuação dos processadores Atom para dispositivos móveis. Portanto, a manobra não é tão surpreendente assim, mas vai abrir a porta para uma série de nova possibilidades.

Uma delas, aquela que está sendo mais especulada, é a chance de a Intel começar a conversar com a Apple ou Qualcomm para começar a fabricar os chips dessa empresas. Ao menos do ponto de vista teórico, essa mudança não traria grandes benefícios para o mercado, mas é muito provável que a marca Intel seja usada para sustentar em algum momento essas parcerias.

Isso é o que provavelmente vai acontecer com a primeira união já confirmada nesse segmento. A LG Eletronics, que tem apostado nos chips da Qualcomm para seus produtos, pretende mudar a sua estratégia e começar a fabricar seus próprios chips da arquitetura ARM, produzidos pela Intel. Será que teremos uma grande revolução nesse segmento de processadores para dispositivos móveis?