Você já deve ter ouvido falar na Deep Web, que constitui a parte da internet que não é indexada pelos motores de busca que existem em todo o mundo. Isso significa que ela é composta por aquelas páginas que você não consegue encontrar utilizando o Google, o Bing ou qualquer outra ferramenta similar. Mas o que existe nesse universo secreto e como chegar até ele?

As respostas podem ser simples, mas os caminhos nem tanto. A Deep Web é composta por vários níveis de ocultamento — que exigem diferentes formas de acesso. Para que isso fique mais claro, vamos separar a internet em algumas camadas. Ao contrário de outras publicações, não utilizaremos essas camadas para diferenciar os conteúdos existentes (principalmente porque o teor deles é parecido e chega a se confundir em muitos momentos), mas para deixar mais claras as formas de acesso a elas.

Onde nem os olhos do Google alcançam

Tecmundo, Google, Facebook, Baixaki e outros sites que estamos acostumados a acessar ficam na parte da internet que é chamada de “Surface”. Em uma tradução literal, é a superfície da web. Essa “região” é entendida pelos motores de busca e pode ser acessada facilmente. Mas logo abaixo da superfície existe uma zona composta por sites comuns e não indexados.

Isso significa que há muitas páginas que precisam de links diretos para serem acessadas. Em um resumo bem simples, são sites que não estão escondidos e que também não estão visíveis. Isso engloba uma grande quantidade de páginas criadas na década de 1990, somadas a diversas que foram feitas mais recentemente e que tiveram a indexação bloqueada — basta uma linha de programação para isso.

Mas o que faria alguém não querer ter o site indexado? São diversas as razões. Isso vai desde a necessidade de manter o sigilo de algumas informações até a simples opção dos programadores. Alguns bons exemplos são os sistemas de universidades, que não podem ser vistos normalmente e não são indexados, mas podem ser acessados com links diretos. Em suma: não são secretas, mas não são visíveis.

Indo um pouco além

Se a internet “surface” engloba os sites indexados e os não indexados — estes já podendo ser colocados em um primeiro nível de “deep web” —, a parte mais profunda não seria tão simples de ser acessada. Em uma primeira camada, não basta ter um link direto, pois somente computadores com proxy correto têm permissão para acessar algumas informações.

(Fonte da imagem: Reprodução/Hidden Wiki)

Mais abaixo ainda, surgem os sites e fóruns que exigem o acesso distribuído — o que garante o anonimato nas trocas de dados. Para isso, somente com navegadores e redes com suporte a sistemas Tor ou similares. Esqueça os “www” e os “.com.br”. Na Deep Web os endereços parecem mais com senhas de alta segurança do que com sites tradicionais.

Esses fatores se somam e, dessa forma, garante-se o anonimato, pois a navegação é distribuída por diversos caminhos, não permitindo o rastreio direto à fonte das informações que estão sendo trocadas. Em resumo, a navegação por Tor oferece muito mais segurança aos usuários do que a comum, e isso é essencial para evitar que os domínios consigam existir sem ser rastreados.

Depois de mudanças de proxy e navegadores com Tor, há relatos de que existe uma camada ainda mais profunda. Ela exigiria modificações específicas no hardware dos computadores, criando uma camada muito restrita. É importante dizer que não há confirmações de que essa área de Deep Web realmente exista, mas ela vem sendo citada em muitos artigos sobre o tema já faz algum tempo.

O que faz as camadas serem diferentes?

Há quem fale em “Surface”, “Bergie”, “Deep”, “Charter” e “Mariana’s” Web para diferenciar os tipos de conteúdos que podem ser encontrados em cada camada. Mas a grande verdade é que as diferenças principais estão nos modos de acesso — que estão diretamente ligados ao quanto as pessoas querem esconder esses conteúdos do público “comum”. Sem nomenclaturas que apenas dificultam ainda mais a compreensão do assunto, vamos a um rápido resumo:

  • Primeiro nível: internet comum, que pode ser acessada por qualquer pessoa e que é indexada pelos motores de busca;
  • Segundo nível: internet comum, que pode ser acessada por qualquer pessoa, mas não é indexada pelos motores de busca;
  • Terceiro nível: internet restrita, que necessita a alteração de proxy para ser acessada;
  • Quarto nível: internet mais restrita, que demanda a utilização de navegadores com distribuição de acesso (Tor);
  • Quinto nível: internet “secreta” (não confirmada), que exige a alteração do hardware para que as comunicações ocorram.

Existe algo bom abaixo da superfície?

Por causa de uma série de fatores, costumamos pensar que a Deep Web é um depósito de conteúdos ilegais e imorais, com disponibilização de softwares para invasão de sistemas, guias de terrorismo e outros materiais que levariam qualquer pessoa para a cadeia. Isso existe, mas não é uma exclusividade. Assim como acontece na superfície da internet, há uma grande diversidade de conteúdos.

(Fonte da imagem: Thinkstock)

E isso acontece em todas as camadas da rede. Existem os hackers que compartilham informações para derrubar sites de conteúdo ilegal — e que colaboram com a polícia para que criminosos vão para a cadeia. E existem os que compartilham itens ilegais (nos mais variados graus de ilegalidade e ofensividade) e oferecem serviços do mesmo gênero (vendas de armas, drogas e afins).

Voltando ao “lado bom da Deep Web”. Nos locais corretos, é possível encontrar sistemas colaborativos de altíssima qualidade para os mais diversos fins. Mas é de extrema importância tomar alguns cuidados ao navegar por lá. Um deles é utilizar o navegador Tor em computadores sem informações sigilosas, pois as chances de invasão existem — ainda mais se você clicar em algum link indevido.

.....

Há muitas lendas que envolvem a Deep Web e não há como dizer quais delas são verdadeiras e quais não são. Isso é extremamente difícil de ser mensurado, uma vez que a quantidade de informações que circulam nessas redes é imensa. Se você quiser tentar, lembre-se do que acabamos de dizer: não clique em nada que você encontrar. Você vai tentar navegar por lá ou acha melhor ficar aqui no raso?

Cupons de desconto TecMundo: