Tieta, a tucana que você pode ver no vídeo acima, foi resgatada pelo IBAMA em março deste ano em uma feira ilegal de animais silvestres no Rio de Janeiro, onde poderia ser vendida por até R$ 15 mil. Ela foi encontrada em uma caixa de papelão com outro tucano maior, muito magra, desnutrida e já sem parte do bico. Para comer, o animal precisava lançar pedaços de mamão para cima com a parte de baixo do bico e abocanhá-los no ar, mas nem sempre acertava a mira.

Depois de ser tratada no centro de triagem do IBAMA, a ave foi cedida pelo órgão ao Instituto Vida Livre para que pudesse ser reabilitada. O diretor da instituição, Roched Seba, coordenou então um projeto para dar a Tieta um bico novo. Tucanos normalmente recebem implantes de bicos de outras aves, mas eles costumam se deteriorar muito rapidamente, e por conta disso foi decidido que o da tucana seria impresso em 3D.

Voluntários de três universidades e de outras instituições se uniram para encontrar o material adequado, que fosse leve e resistente o suficiente para não atrapalhar a vida do pássaro. O bico de um tucano morto serviu como molde para o projeto, que foi modificado para se aproximar ao formato original do bico de Tieta. A impressão demorou duas horas, enquanto a cirurgia de implantação levou 40 minutos e foi realizada no fim de julho.

A prótese foi pintada com esmalte preto, fixada com parafusos e vedada com resina de polímero de mamona, uma tecnologia desenvolvida no Brasil. Ela levou três dias para se acostumar com a prótese nova e agora deve passar o resto da vida em um santuário para animais. Em São Paulo, outro projeto bastante semelhante implantou apenas alguns dias antes um bico impresso em 3D em um tucano verde. As iniciativas não sabiam da existência uma da outra.

Você pode assistir à Tieta e seu bico em ação através deste link.

Em que outras áreas você acha que a impressão 3D pode facilitar a vida dos animais? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: