Makerbot Replicator 2 é um dos modelos que pode ser comprado no Brasil. (Fonte da imagem: TecMundo)

O início desta década marcou também o início da expansão do mercado de impressoras 3D, pelo menos no Brasil. Por aqui, a procura por esses equipamentos gerou não apenas importações, mas também o surgimento de empresas 100% nacionais que ganham cada vez mais espaço no setor de prototipação e modelagem tridimensional.

Até o momento, pelo menos duas companhias recém-criadas são responsáveis pelo setor brasileiro de impressoras 3D, fazendo companhia para nomes mais antigos e consagrados do mercado mundial. Isso quer dizer que as opções para quem quer investir em uma máquina dessas incluem tanto importar de fora quanto comprar aqui mesmo.

Nós separamos alguns modelos que já podem ser comprados aqui do Brasil, seja por compra direta daqui ou por importação. Nós separamos 13 modelos e, no caso de produtos que são apenas variações de outro equipamento ou pertencem à mesma linha, eles são agrupados em um mesmo tópico.

1.  Cliever CL-1

Cliever CL-1 (Fonte da imagem: Divulgação/Cliever Tecnologia)

Esta é a primeira impressora 3D 100% brasileira. Ela foi criada pela Cliever Tecnologia, empresa incubada na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e lançada no mercado em junho do ano passado. Ela usa a tecnologia de fabricação por filamento fundido (FFF), ou seja, trabalha com um filamento plástico como matéria-prima para criar objetos em 3D.

A impressora é fabricada em aço e carbono e traz guias lineares em aço inox para a movimentação interna de suas peças, pesando aproximadamente 12 kg. Na loja online da fabricante, é possível encontrar modelos em três cores diferentes, todos com 1 kg de filamento plástico de brinde, por R$ 4.650.

2. Metamáquina 2

Metamáquina 2 (Fonte da imagem: Divulgação/Metamáquina (Facebook))

Segundo a página oficial da Metamáquina, empresa responsável por esta impressora, a ideia é oferecer produtos que mesclam qualidade e baixo custo, sendo então a primeira com tal enfoque no país. Todas as máquinas são operadas com software livre e hardware aberto, ou seja, o aparelho pode ser modificado e aprimorado pelos usuários conforme suas necessidades.

Em janeiro de 2013, a companhia apresentou seu segundo modelo, a Metamáquina 2. Ela também usa o método FFF para a impressão dos objetos, pesa 9 kg e traz guias em aço cromado retificado. O nome da empresa e do produto vem do fato de os primeiros modelos terem sido produzidos a partir de peças impressas em uma máquina de prototipação rápida, ou seja, uma impressora 3D. Você compra uma dessas por R$ 3,7 mil.

3. Linha Cube

Cube (Fonte da imagem: Divulgação/Robtec)

A Cube não é um produto brasileiro, mas desde o último mês de abril é comercializada aqui pela Robtec, representante da companhia estadunidense 3D Systems. Ela traz conexão WiFi, ou seja, pode ler arquivos sem estar conectada via cabo a outro dispositivo, e imprime em materiais ABS e PLA, que oferecem resistência e brilho, respectivamente, aos objetos.

Além disso, a Cube trabalha com até cinco cores e vem com um software para Windows e Mac, que permite a criação rápida de desenhos, dispensando o uso de ferramentas mais avançadas como AutoCAD e outros aplicativos de modelagem em 3D. O equipamento é vendido aqui por R$ 6.690 e traz modelos em várias cores.

A CubeX, versão aprimorada da Cube, também é vendida no Brasil pela Robtec e não precisa ser importada. Ela tem cara de máquina de prototipação compacta, mas trabalha de forma profissional, com três modos de resolução de impressão, suporte a cores vibrantes, modelos com até três cabeçotes e maior área de impressão. Você pode adquirir uma por cerca de R$ 11 mil.

4. Linha UP!3d Printer

UP! Mini (Fonte da imagem: Divulgaçãu/UP!3d Brasil)

As máquinas da marca UP!3d são outras já comercializadas no Brasil. A loja online da companhia conta com uma versão em nosso idioma, totalmente desenvolvida para o público brasileiro, e oferece dois modelos: UP! Mini e UP! Plus, que custam R$ 4,6 mil e R$ 6,4 mil respectivamente.

Como seus nomes deixam bem claro, a segunda é maior do que a primeira. Além disso, a Plus é mais precisa e tem um volume de impressão quase 50% maior do que o da Mini, o que justifica também o fato de ser a mais cara das duas.

5. Linha MakerBot

MakerBot Replicator 2 (Fonte da imagem: Divulgação/MakerBot)

Um dos modelos mais conhecidos do mundo, a linha Makerbot (que você já viu em ação aqui no Tecmundo) também pode ser adquirida diretamente no Brasil. Por meio da representante TekTrade International, é possível comprar a MakerBot Replicator 2 por cerca de R$ 11 mil e a MakerBot Replicator 2X por R$ 12,5 mil.

Elas são acompanhadas também de um software próprio para a criação de objetos em 3D, bem como suportam arquivos no formato STL, OBJ e Thing. A MakerBot 2X trabalha com dois canhões de impressão, o que dobra a velocidade do processo.

6. Linha ProJet

ProJet 3500. (Fonte da imagem: Divulgação/3D Systems)

Uma das máquinas do gênero mais caras da atualidade pertence à linha ProJet, da 3D System. A ProJet 3500 oferece ultrarresolução e um ritmo industrial na produção de objetos em 3D, com capacidade para criar um grande volume de itens em relativamente pouco tempo. Para ter uma dessa, no entanto, o investimento é enorme: o modelo básico é vendido pro R$ 200 mil, sem o valor do frete incluso.

Dois modelos “básicos” da 3D Systems são a ProJet 1000 e a ProJet 1500. Elas são praticamente idênticas, tendo como diferença entre si o desempenho aprimorado do modelo 1500: ela oferece itens com superfície mais lisa e trabalha com seis cores diferentes.

Ambas produzem em alta velocidade e com alta resolução, são compactas e prometem ser silenciosas. Elas custam, respectivamente, US$ 15,5 mil (algo em torno de R$ 35 mil) e US$ 19 mil (aproximadamente R$ 38 mil).

Todos os modelos da linha ProJet precisam ser importados, o que é feito pela própria Robtec, por isso seus preços oficiais estão em dólares.

7. Linha Zprinter

Zprinter 150 (Fonte da imagem: Divulgação/3D Systems)

Capaz de imprimir até 20 mm por hora, as máquinas da linha Zprinter, também da 3D Systems, oferecem uma velocidade acima da média em relação às suas concorrentes. Elas também se destacam por contarem com matérias-primas mais baratas, e seus dois modelos se diferenciam pela capacidade que o Zprinter 250 tem de fazer impressões coloridas.

Nesse modelo, você trabalha com até 64 cores diferentes e ele custa US$ 27,7 mil dólares, valor próximo dos R$ 60 mil. Já o modelo monocromático, Zprinter 150, pode ser adquirido via Robtec por US$ 16,6 mil, algo em torno de R$ 35 mil.

Todos os modelos da linha Zprinter precisam ser importados, o que é feito pela própria Robtec, por isso seus preços oficiais estão em dólares.

Bônus: modelos da Stratasys

Linhas da Stratasys (Fonte da imagem: Reprodução/Stratasys)

A Stratasys é uma das mais conceituadas fabricantes de impressoras 3D do mundo e, há pouco tempo, tem todas as suas linhas disponíveis para importação aqui no Brasil. Apesar de não divulgar preços, por meio do site oficial da companhia é possível solicitar uma cotação de cada uma das suas três famílias de impressoras.

São elas: “Idea Series”, que oferece impressoras pessoais e para pequenas equipes; “Design Series”, equipamento indicado para empresas um pouco maiores; e a “Production Series”, para quem busca uma solução profissional para a impressão de objetos maiores.

Cupons de desconto TecMundo: