Há 40 anos, Neil Armstrong descia as escadas da Eagle em direção à superfície lunar e um novo capítulo era escrito na história da exploração espacial. Até onde os astronautas chegarão, ninguém sabe, mas o que antes era objeto de disputa política entre duas ideologias opostas tornou-se um fascínio. No embalo dessa conquista e desse fascínio, mostramos para você este ótimo recurso do Google Earth.

Já imaginou poder olhar a superfície da Lua e de Marte em detalhes, com a identificação das crateras e cânions? Ou então explorar constelações, aproximando e visualizando milhões de distantes galáxias e novas estrelas? São milhões de imagens de várias pesquisas diferentes para você sentir o gostinho de incríveis paisagens em três modos de visualização que vão além – muito além – da Terra.

São os modos Sky, Marte e Lua. Acessar qualquer um deles é muito fácil, basta clicar no botão Alternar entre Earth, Sky e outros planetas e escolher o modo desejado.

Começando a exploração.

 

Sentindo-se um astronauta

Aproveitando a ocasião, comecemos pelo modo Lua. Explore os quadrados vermelhos exibidos. Cada um deles tem uma história ou um estudo sobre o satélite da Terra. Há também vídeos e animações diretamente do YouTube. As camadas de visualização enriquecem a experiência.

O banco de dados principal inclui imagens de satélite em destaque e nomes de lugares. Mapas globais são compostos por imagens visíveis, terreno colorizado e um mosaico do Luna Orbiter. A camada Galeria do Moon é uma área mais “turística”, com informações sobre as missões Apollo, passeios guiados, mapas históricos e artefatos humanos deixados por lá. Claro, como você já está acostumado, a última camada é do terreno lunar.

Marte

O próximo ponto desta exploração é Marte. Todas as crateras, cânions e montanhas estão identificados com seus respectivos nomes. Informações adicionais e até mesmo fotos podem ser acessadas clicando sobre o nome da localização desejada.

As camadas de exploração são parecidas com o modo Lua. O banco de dados é dividido com as mesmas categorias: imagens de satélite em destaque e nomes de lugares. Os mapas globais são um pouco diferentes, com imagens visíveis, terreno colorizado, infravermelho de dia e de noite e outros. A camada de imagens de aeronaves traz os resultados de diversas pesquisas diferentes.

A camada Mars Gallery é um show à parte, com vídeos de exploração, mapas históricos e locais de pouso de naves exploratórias.

Com o Google Earth, o céu não é limite.

 

Sky

O modo Sky é grandioso, e não podia ser diferente. Afinal, para navegar entre as estrelas, é necessário muito mais que uma simples viagem. As camadas incluem eventos atuais, detalhes do sistema solar, observatórios em destaques, mapas históricos e mais.

Neste modo, alguns recursos são ativados e outros, desativados. Entre as novas possibilidades, está a grade de latitude e longitude. Já na atmosfera, ações do mouse e do controlador relativas à inclinação e dicas são desativadas. Mas não se preocupe, a navegação neste modo não é diferente da navegação pela Terra. A única diferença é a impossibilidade de inclinação.

Quem entende de astronomia pode utilizar a busca de duas maneiras: através do nome de objetos celestes ou então por ascensão reta ou declinação. Estão aí três ótimos modos de visualização que levam o Google Earth além da Terra. Deleite-se com este programa que, simplesmente, não tem fim.