Houve um tempo em que os celulares eram limitados à comunicação por voz e por mensagens de texto, mas hoje a realidade é bem diferente. Smartphones funcionam quase como computadores portáteis, integrando uma grande quantidade de funções. Mais do que ligações e mensagens, eles possuem câmeras de alta qualidade, oferecem acesso à internet e games de alto nível para os consumidores.

Depois desse movimento já mencionado, foi a vez de os sistemas operacionais começarem a integrar funções de aplicativos de terceiros. O melhor exemplo que temos disso está no Google Now integrado ao Android. Ele funciona como um assistente pessoal, interpretando as diversas necessidades dos usuários e entregando resultados condizentes com o que cada um espera em determinados momentos.

Mas há algo em que devemos nos atentar: o Google Now está matando — ou pelo menos reduzindo o impacto de — alguns aplicativos do Android. Você acha isso bom ou ruim? Antes de responder, vamos conferir alguns argumentos bem interessantes que fazem parte desta discussão. Está preparado para conhecê-los?

Excelente para os consumidores...

Imagine que o Google Now faz o mesmo trabalho que uma série de outros aplicativos também podem fazer, mas sendo apenas um sistema. Configurado da maneira correta, ele pode emitir informações sobre o trânsito, dicas sobre viagens, sugerir locais para comer, emitir dados concretos sobre voos e diversas outras notificações contextuais. Tudo em apenas uma interface amigável.

Ou seja, os consumidores não precisam de muito trabalho para conseguir acessar as informações que mais precisam, uma vez que o próprio sistema operacional identifica essas necessidades e faz o “trabalho pesado”. E é bem possível que isso cresça cada vez mais. Outros tipos de informações devem ser indexadas ao Google Now, permitindo que os usuários fiquem cada vez mais livres de outros aplicativos — ele pode até avisar quando você deve descer do ônibus.

Entre os apps de terceiros que podem ser substituídos estão os de empresas aéreas, especializados em cinema, canais de tempo, viagens, dicas de restaurantes e outros estabelecimentos, lojas virtuais e centrais esportivas. Mas, ao mesmo tempo em que isso pode garantir muitas vantagens para os consumidores, também é preciso pensar em como isso pode interferir em outro aspecto...

Terrível para os desenvolvedores

Com cada vez mais funções integradas ao Google Now, os consumidores estão procurando menos os aplicativos desenvolvidos por programadores independentes — uma vez que os próprios softwares da Google conseguem excelentes números nas lojas de aplicativos. E isso significa o quê? Menos incentivos para que desenvolvedores independentes prossigam na criação de novas opções.

Por mais que existam muitos consumidores que são verdadeiros incentivadores do “indie”, é a massa migratória para os apps oficiais da Google que faz a real diferença no mercado — lembrando que é nesse sentido que o dinheiro é realmente movimentado, seja por vendas diretas ou mesmo por anúncios internos. E será que existe alguma consequência maior nessa história toda?

Péssimo para os consumidores!

“TecMundo! Vocês acabaram de dizer que era ótimo para os consumidores!” Pois é, nós dissemos. E repetimos: as integrações trazidas pelo Google Now permitem que os usuários do Android tenham muito mais facilidade na utilização de seus smartphones. Mas, com menos incentivos aos desenvolvedores, é possível que tenhamos menos opções nas lojas virtuais em um futuro de médio prazo.

É claro que os apps já disponíveis não serão removidos da Play Store, mas é realmente possível que alguns desenvolvedores abandonem a plataforma Android, uma vez que a concorrência com apps nativos é realmente complicada. O site Phandroid relembra o exemplo do Windows Phone para mostrar como isso pode ser um grande problema. O SO da Microsoft surgiu muito independente dos desenvolvedores externos e até hoje não se recuperou disso no mercado.

Hoje, a Apple tem muita dependência dos apps de terceiros e deve manter-se dessa forma pelos próximos anos. Se a Google não parar de integrar funções em sistemas próprios, será que teremos um resultado ruim? Qual a sua opinião em relação a isso?

Cupons de desconto TecMundo: