Cena do filme O Homem Bicentenário (Fonte da imagem: Reprodução/larpinowalsh)

O mundo vem crescendo em um ritmo absurdamente acelerado e a tendência é que, se não entrarmos em colapso, teremos uma grande revolução tecnológica como aquelas que são idealizadas em filmes.

Pare por um momento e pense na quantidade de indústrias que vêm desenvolvendo novas tecnologias, técnicas e métodos de aperfeiçoar o que já existe. São milhares e elas não param nunca!

Conhecimento dos mais variados tipos tem se acumulado e diversas empresas estão aplicando novos conceitos e ideias em diversas áreas. Os diferentes ramos da ciência estão trocando informações constantemente, criando cada vez mais produtos úteis e soluções variadas para resolver os tantos problemas que temos — muitos que nós mesmos criamos.

Seja um pequeno app que poupa tempo no seu dia a dia, um carro capaz de proporcionar mais segurança ou um novo remédio capaz de curar uma gripe, toda e qualquer novidade é bem-vinda. Claro, novos produtos e tecnologias não surgem da noite para o dia, mas muita coisa está em desenvolvimento ao mesmo tempo. Hoje, vamos mostrar algumas ideias que podem virar realidade nos próximos 100 anos. Embarque nesta viagem conosco.

1. A computação tomará proporções astronômicas

Pare um pouco e olhe para o quanto a informática mudou. Os jogos ganharam uma dimensão a mais, os aplicativos foram simplificados, os sistemas estão mais inteligentes e o poder de computação que temos em nossas máquinas domésticas é impressionante.

(Fonte da imagem: Reprodução/Mad Mikes America)

Pois é, esta primeira previsão pode ser um tanto óbvia, mas, sendo um site do ramo, nos vemos obrigados a comentar sobre as novas tecnologias que serão adotadas e como isso mudará radicalmente nossas vidas.

Atualmente, precisamos de gabinetes gigantescos para poder desfrutar de bons jogos e para trabalhar com softwares mais robustos (sejam eles para renderização de projetos tridimensionais ou para pesquisas avançadas com aplicativos científicos).

Conforme podemos notar, cada vez mais os supercomputadores estão ganhando atenção e não é para menos, afinal, eles estão chegando a um nível de inteligência próxima à dos seres humanos. Atualmente, um computador desses necessita de um espaço físico muito grande. No futuro, a tendência é que essas máquinas geniais caibam em cubos de apenas 1 cm³.

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

De acordo com o site Popular Mechanics, o truque para isto será a reinvenção dos chips de computador. Há duas opções: trabalhar com nanopartículas (que eliminarão o uso de fios e acabarão com o problema de calor) ou adotar a computação quântica. Este segundo caso seria uma completa mudança de arquitetura e a tecnologia.

Falando em computadores, automaticamente lembramo-nos da nossa querida internet. Pois é, com o tempo, a quantidade de dados na web será tão grande que chegaremos aos zettabytes (1 zettabyte equivale a 1 bilhão de terabytes). Filmes na resolução 8K, jogos com proporções absurdas e todo tipo de conteúdo multimídia acabará gerando um tráfego absurdo de dados.

2. Tablets e celulares poderosos e finos

Olhando o presente, é difícil imaginarmos como será o futuro, portanto podemos estar falando bobeira sobre tablets e smartphones. Entretanto, pensando a curto prazo (até pouco depois de 2020), podemos presumir que esses gadgets ainda estarão vivos.

(Fonte da imagem: Reprodução/Mobile Pro)

A grande diferença é que não precisaremos mais de aparelhos pesados. A aposta que muitos fazem está nas telas flexíveis e nas tecnologias que vão reduzir a espessura dos gadgets (deixando-os tão finos e leves que poderemos dobrar o tablet e levá-lo na carteira).

A chave de todo esse avanço está na nanotecnologia, que permitirá a construção de chips cada vez menores, os quais poderão ser embutidos em gadgets com espessura similar à de uma folha de papel. Pode parecer loucura, pode ser que nunca aconteça, mas não é uma possibilidade descartada se levarmos em conta os atuais avanços.

3. Carros conectados e autônomos

Os automóveis de hoje já são relativamente inteligentes. Muitos trazem computadores para monitorar as atividades do veículo, uma tela sensível ao toque para disponibilizar conteúdos multimídia ao motorista e alguns sensores que auxiliam na hora de manobrar.

Pode parecer uma utopia — e talvez isso nunca aconteça —, mas a ideia de algumas empresas é tornar os carros inteligentes o suficiente para garantir um tráfego fluido e sempre funcional. Acidentes não acontecerão nunca mais, a ação humana será pouco necessária e seu carro terá vida própria.  A questão é: como tudo isso vai acontecer?

Assim como os computadores, os automóveis em um futuro próximo estarão interconectados em uma grande rede. Isso quer dizer que um veículo terá comunicação com outro, garantindo a troca de informações sobre trajetos, rodovias, sinais, desvios e quase todo tipo de detalhe sobre o trânsito.

(Fonte da imagem: Divulgação/Ford)

Os automóveis também estarão diretamente conectados à internet. Nada de ficar colocando CDs ou conectando o celular por Bluetooth. Todas as suas músicas que estão armazenadas na nuvem podem ser acessadas com um simples comando de voz. Você também pode verificar as câmeras de segurança da sua casa para saber se tudo está em ordem.

Ao buscar um posto de gasolina, por exemplo, seu carro pode se comunicar com apps de celular e encontrar o local mais próximo e mais barato. Quando você informar um destino, seu veículo verificará o melhor caminho, analisando dados sobre tempo de semáforos, possíveis bloqueios, engarrafamentos e outros detalhes que estarão disponíveis na rede.

Quer mais? Seu carro terá câmeras e sensores que servirão para monitoramento constante, ou seja, chega de estacionar em um determinado local e ter de arcar com prejuízos causados por outros. Tudo o que acontece ao redor do seu carro será gravado na nuvem, garantindo que você saiba o que se passou mesmo quando você não está próximo.

Os carros autônomos devem aparecer em menos de 20 anos. A Google está trabalhando nisso e tem protótipos funcionais. Ainda falta muito para chegar à perfeição, mas os veículos controlados por computador estão mais perto do que imaginamos. O desenvolvimento em massa desse tipo de automóvel é outra conversa, mas esse tipo de tecnologia não pertence mais aos filmes.

4. Nossas casas serão inteligentes

Se nossos veículos serão inteligentes, por que nossas casas continuariam sendo apenas locais vazios e sem capacidade de raciocínio? Com o avanço contínuo das tecnologias de eletrônicos, as apostas são de que nossas residências estarão cada vez mais integradas com os aparelhos (celulares, TVs, PCs) e poderão tomar uma série de decisões para facilitar nossas vidas.

Já pensou como seria bom se a sua geladeira pudesse verificar quando um determinado alimento está em falta e automaticamente efetuasse as compras através da internet? Acredite, não é impossível e é uma ideia que já foi citada no New York Times (lá em 2011, quando o site estava falando sobre o Google X). Isso pode virar realidade por volta de 2030.

(Fonte da imagem: Reprodução/The Snugg)

Quer mais? Que tal uma casa com sensores que detectem quando você chega e ajustem o ar-condicionado automaticamente? Talvez, uma casa com ouvidos poderia ser genial para você não precisar ter que passar o café. Basta dar um comando para regular a cafeteira e ter um café de acordo com o seu gosto.

Por que não pensar em um tapete capaz de detectar a presença de intrusos? Ou quem sabe um jardim inteligente que envie avisos para seu celular relatando quais plantas precisam ser regadas? Essas ideias são muito malucas?

Ok, vamos pensar em um futuro próximo. Não seria bom se a sua conta de luz reduzisse? Na casa do futuro, todos os eletrônicos podem funcionar de forma autônoma. Você não precisa mais desligar a TV, pois a televisão detecta quando você sai da sala e se desliga automaticamente. O mesmo vale para lâmpadas acesas em cômodos desocupados.

5. Corpo humano 2.0

Com tanta tecnologia em nossos bolsos, casas e demais eletrônicos, não tenha dúvida de que o ser humano será o foco de muitas tecnologias. Todo o genoma de seus filhos (ou talvez de seus netos) será sequenciado antes mesmo que eles nasçam. Pesquisadores da Universidade de Washington já conseguiram sequenciar 98% do genoma com a saliva dos pais de um bebê.

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

Graças a esse tipo de avanço — que deve acontecer depois de 2060 —, será possível identificar doenças hereditárias antes que os sintomas apareçam, ou quem sabe teremos a possibilidade de ter descendentes perfeitos. É evidente que esse tipo de tecnologia custará muito caro, mas será algo que garantirá uma vida mais duradoura aos humanos.

Até que essas novas gerações “perfeitas” cheguem, teremos a medicina presente em nossas vidas constantemente. A ideia de usar chips para monitorar a saúde de órgãos vitais e do cérebro é recorrente e não é tão difícil de acontecer. Você teria acesso a todos os detalhes do seu corpo no seu smartphone.

Exames seriam cada vez mais dispensáveis, visto que todas as informações sobre seu corpo seriam facilmente detectadas com os chips e alguns pequenos sensores. Esse uso da tecnologia poderia garantir que as pessoas evitassem a obesidade, a diabetes e outras tantas doenças.

6. A medicina vai nos trazer vida eterna

Outros avanços que possivelmente veremos será a cura definitiva da AIDS, soluções menos radicais e mais eficientes para diversos tipos de câncer, implantes que poderiam reverter a paralisia, transplante de órgãos criados em impressoras 3D e assim por diante.

(Fonte da imagem: Reprodução/Winning Mindset)

Como tudo isso será possível? Bom, primeiramente, os cientistas vão mapear alguns quadrilhões de conexões (que possibilitam a comunicação entre neurônios) que temos em nosso cérebro. Muitas respostas para doenças mentais, questões de aprendizagem e outros assuntos que a ciência ainda não desvendou estão escondidas em nosso cérebro.

Falando em medicina, devemos notar que, no futuro, muitos dos testes que hoje são realizados em animais poderão ser feitos em chips e órgãos artificiais. Com o avanço da computação, é só uma questão de tempo até que seja possível simular completamente órgãos humanos e ter respostas precisas sobre a reação em um paciente.

A própria Google (que aparentemente não teria nada a ver com o assunto) está apostando em uma empresa para desenvolver soluções para prolongar nossa existência e quem sabe alcançar a vida eterna. É claro, conforme os anos forem passando, a tendência é que a expectativa aumente, o que significa que poderemos ter alguns anciões com mais de 150 anos.

7. O conhecimento em expansão infinita

Essas são algumas previsões bem gerais, mas as tecnologias vão mudar muito ao longo dos próximos anos. Quem sabe, daqui a 5 ou 10 anos precisaremos reescrever este artigo para adicionar algo ou remover algum palpite furado.

(Fonte da imagem: Reprodução/Edudemic)

A verdade é que o conhecimento está em constante expansão. Muito em breve, todo o conhecimento mundial estará totalmente no mundo digital e acessível através da web. Esse é um dos planos da Google, que já conseguiu transferir alguns milhões de obras para o computador. O site Popular Mechanics relata que falta digitalizar 110 milhões de livros.

Vale notar que citamos aqui apenas algumas previsões que são úteis para nosso dia a dia, mas é claro que veremos muitas tecnologias militares aparecendo, sendo úteis para salvar vidas e possibilitando criar uma terceira guerra sem a necessidade de humanos. Robôs farão parte de nossa rotina, seremos monitorados de diversas formas e nem tudo será um sonho.

Também veremos diversos avanços para tentar proteger o meio ambiente, afinal, sem ele, não teremos um futuro. Algumas novidades aparecerão para garantir a alimentação da população mundial, que continua em constante crescimento.

Enfim, é difícil saber o que vai acontecer, mas é importante acompanharmos esse avanço, pois assim como ele pode tornar a Terra um lugar melhor, também pode nos levar ao caos. Esperamos que a tecnologia trabalhe a nosso favor!