A possibilidade de os usuários adicionarem o filtro com as cores da bandeira da França às fotos de perfil do Facebook tem sido motivo de algumas discussões acaloradas na internet.

Principalmente no que tange a igualdade, a relevância e o impacto que determinadas tragédias ao redor do mundo possuem em nossas vidas e na sociedade em que vivemos.

Por exemplo, exatamente um dia antes dos ataques terroristas em Paris, o povo da cidade de Beirute, no Líbano, também foi alvo de atentados terroristas promovidos pelo Estado Islâmico. Mais de 180 pessoas ficaram feridas e 41 morreram nos ataques de dois homens que jogaram bombas em um centro comercial no centro da cidade. Esse é o pior ataque realizado na capital do Líbano desde o final da guerra civil no país em 1990.

Contudo, não há um filtro com a bandeira do país árabe para que as pessoas se solidarizem no Facebook. Além disso, o recurso do Safety Check não foi ativado, botão que permite que os cidadãos avisem através da rede social que estão seguros e passam bem. Nem precisamos ir tão longe, já que um dos maiores desastres ambientais da história do Brasil (em Mariana – MG) já tem dezenas de desaparecidos, centenas de pessoas desabrigadas e um número de óbitos que infelizmente não para de crescer.

Em razão da grande quantidade de pessoas que reclamaram devido à suposta preferência do Facebook em relação à tragédia de Paris quando comparada aos outros eventos que tem ocorrido no mundo, o próprio Mark Zuckerberg fez um rápido pronunciamento de explicação:

Muitas pessoas têm questionado, e com razão, por quais motivos nós acionamos o Safety Chek em Paris, porém não durante os atentados em Beirute e em outros países. Até ontem (13/11), nossa política do Safety Check estava exclusivamente direcionada aos desastres naturais. Nós mudamos isso e a partir de agora planejamos ativar o Safety Check para mais desastres humanos que também acontecerem pelo mundo.

Além disso, Zuckerberg também frisa que existem muitos outros conflitos importantes no mundo e que também merecem atenção. Inicialmente, o Safety Check foi criado após os terremotos no Afeganistão, Chile e Nepal. O recurso tem sido aprimorado para não ser utilizado de modo incorreto por outros usuários e tem se mostrado bastante útil para as pessoas que estão nos locais dos desastres.

Trocando as imagens de avatar

Nada foi mencionado quanto às fotos com o filtro com a bandeira da França. Vale ressaltar que o ato de alterar a foto de perfil é um modo de demonstrar solidariedade e sensibilização com determinada causa – recurso inicialmente implementado no Facebook com a notícia da aprovação do casamento entre homossexuais nos Estados Unidos. Como o recurso só pode ser oficialmente utilizado com as cores francesas, críticas em relação à seletividade do Facebook também foram levantadas.

Seja como for, Mark Zuckerberg promete maior mobilização na plataforma com as demais tragédias humanas que ocorrerem no mundo. O desastre em Mariana é um exemplo disso, dado à magnitude do evento, e que também merece atenção. Quais são as suas opiniões sobre isso?  O ativismo digital realmente tem se mostrado seletivo com determinadas causas? Comente no Fórum do TecMundo.

Cupons de desconto TecMundo: