Já não é de agora que o Facebook trabalha pesado em uma poderosa ferramenta para reconhecer o que é mostrado em uma foto – seja uma imagem sua ou uma em que você nem aparece direito. Mas se você pensa que a empresa vai parar por aí, saiba que está bem enganado: ao que parece, a empresa está trabalhando para que seu software seja capaz de entender absolutamente tudo o que for capturado pelas lentes de sua câmera.

As informações vieram de Mike Schroepfer, diretor técnico do Facebook, ao falar durante o Web Summit. Segundo ele, a empresa está trabalhando em um novo sistema que é capaz de entender o que está presente em uma imagem e o que está acontecendo nela, traduzindo isso em palavras e frases.

Pode parecer uma ideia ambiciosa, mas parece que a empresa já foi longe em seu projeto. Basta ver a imagem abaixo, de um skatista em uma manobra, para ter uma ideia: na demonstração feita, o software identifica termos como “uma prancha de skate”, “uma manobra”, “no ar”, “um skatista”, “uma rampa” e “uma pessoa”, além das ações “fazendo”, “andando”, “performando” e “saltando”.

Ficou impressionado? Pois há ainda mais para deixar muita gente boquiaberta. Isso porque, segundo o anúncio do Facebook, a nova ferramenta criada por eles é capaz de segmentar as imagens (identificar cada diferente objeto na cena, em termos comuns) 30% mais rápido. Além disso, ela precisa de dez vezes menos informação para “treinar” o software, o que quer dizer que ele é muito mais eficiente em sua tarefa.

De ajudar as pessoas a prever resultados

Mas de quê adianta ter um software capaz de saber tudo isso? Para Schroepfer, isso pode ser usado como uma peça para outros projetos. Um exemplo citado por ele promete ser bastante interessante para quem não quer (ou não pode) olhar para uma foto postada por outra pessoa: basta usar o sistema de reconhecimento de voz da rede social e perguntar o que está presente na imagem.

Igualmente interessante é que, com a ajuda dessa ferramenta, a empresa foi capaz de criar um sistema que não apenas identifica, como também aprende a prever o resultado de ações (no caso, se um conjunto de blocos empilhados iria cair ou não) com 90% de precisão – o que é um valor mais preciso do que um humano comum seria capaz de fazer.

Como se não fosse suficiente, o sistema de reconhecimento ainda estendeu sua capacidade de aprendizado para jogar games de tabuleiro, com a ajuda de um software de detecção de padrões. E segundo a empresa, o resultado foi uma inteligência artificial tão boa quanto a de um jogador humano bastante habilidoso.

É claro que, por mais assustadora que essa tecnologia possa se mostrar para quem teme o domínio das máquinas no futuro, o avanço que isso representa para a tecnologia de detecção não deixa de ser impressionante. Afinal, como o Facebook busca sempre trazer apenas as informações que se mostrarem mais relevantes para você, saber identificar um gosto específico nas fotos que você curte pode ajudar bastante a eliminar o “lixo” de seu feed.

Você acha que o Facebook viola a sua privacidade? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: