Conceito de smartphone do Facebook (Fonte da imagem: Reprodução/Michal Bonikowski)

Depois de ter aberto seu capital, o destino do Facebook permaneceu incerto para muita gente. Todo mundo queria saber qual seria o grande passo de Mark Zuckerberg, já que nada mais foi dito sobre a possível aquisição do Opera pela empresa. No entanto, essa pode não ser a única novidade da rede social para o futuro.

O diretor da Mobile Network Group e um dos principais analistas de mercado quando o assunto é Facebook, Paul Amsellem, afirmou ao site Olhar Digital que a companhia pode estar trabalhando em um projeto maior, como a fabricação de hardwares próprios.

Segundo ele, não é improvável que a empresa de Zuckerberg passe a trabalhar com serviço de conteúdo nas nuvens, podendo lançar sua concorrente à Apple TV, a “FaceTV”. O grande diferencial da novidade seria a possibilidade de conectar seu perfil na rede social e associar seus gostos e preferências com a transmissão.

Outra possibilidade citada por Amsellem é o smartphone oficial do Facebook, o FacePhone. O analista já sugeriu a criação do celular há alguns anos, mas ele retornou com algumas “melhorias” em sua previsão.

(Fonte da imagem: Reprodução/Michal Bonikowski)

De acordo com ele, a ideia de desenvolver um aparelho do tipo seria exatamente para proteger seu conteúdo da concorrência, principalmente da Google. Segundo ele, sempre que o aplicativo da rede social é atualizado, é preciso enviar um documento com códigos que podem revelar à Apple e à Google as novidades preparadas para o Facebook.

Para evitar que a Plus ou qualquer outro serviço semelhante se apodere de informações privilegiadas, seria de bom tom a fabricação de um smartphone próprio. Desse modo, teríamos a união do lado móvel que dispositivos do gênero oferecem com a socialização típica do serviço.

Quando questionado sobre a possível fabricante do smartphone, Amsellem explica que não seria estranho imaginar a aquisição da RIM, proprietária do BlackBerry, já que ela está enfrentando uma crise financeira considerável. A Nokia é outra que também pode ter o mesmo destino. Por outro lado, se a ideia for conseguir uma parceira, ele sugere a Microsoft como ponto de apoio para a nova investida do Facebook.

Fonte: Olhar Digital

Cupons de desconto TecMundo: