De acordo com o The Intercept, visitantes estrangeiros com viagem marcada para os Estados Unidos, em breve, precisarão informar as redes sociais utilizadas para as autoridades norte-americanas. A informação foi entregue pelo Serviço Aduaneiro e de Proteção das Fronteiras dos EUA (CBP), que busca "coletar informações relacionadas à presença online" dos viajantes.

Ao que parece, inicialmente, a ação pretende checar as redes sociais de pessoas que buscam isenção de visto. Caso essa ação seja aprovada pelo Gabinete de Gerenciamento e Orçamento (OMB), ela deverá ser implementada já em dezembro de 2016.

A dúvida? Se as redes sociais vão influenciar negativamente

Por meio de um porta-voz, o CBP disse que a coleta de informações das redes sociais “pode ajudar a detectar ameaças em potencial, já que a prática mostra que criminosos e terroristas, seja intencionalmente ou não, forneceram informações anteriormente não disponíveis, através de redes sociais, que esclareceram suas verdadeiras intenções”. Além disso, que “a coleta de identificadores de redes sociais não será usada para impedir viagens com base nas visões políticas, etnia e religião do candidato”.

Outro ponto que não está claro é: se a entrega de redes sociais vai influenciar negativamente o pedido de isenção de visto.

No mês passado, como comentou o The Intercept, o relator especial das Nações Unidas disse que “oficiais do governo podem receber uma autoridade extremamente irrestrita para coletar, analisar, compartilhar e reter informações pessoais e sigilosas sobre viajantes e suas relações on-line”. Por isso, que estaria preocupado com a mudança.