No começo da semana, terça-feira (5), Alton Sterling, de 37 anos, foi morto em uma ação policial em Baton Rouge, em Luisiana. No dia seguinte, uma mulher transmitiu ao vivo a morte de seu namorado, Philando Castile (32), que também foi baleado por um guarda na cidade de Falcon Heights, em Minnesota. Como uma espécie de "resposta" à morte desses homens negros, um atentado foi organizado em uma manifestação em Dallas e resultou na morte de cinco policiais.

Essa manifestação em Dallas, uma das muitas que ocorreram nos Estados Unidos na noite de quinta-feira (7), foi organizado exatamente para buscar justiça pelos crimes cometidos contra homens negros por policiais brancos. Porém, criminosos viram na ocasião o momento perfeito para fazer "justiça com as próprias mãos" e preparam uma emboscada para os guardas que faziam a segurança da manifestação.

Franco-atiradores dispararam contra esses policiais, deixando cinco mortos e pelo menos seis feridos. De acordo com o chefe da polícia local, três suspeitos foram detidos, entre eles uma mulher. Um quarto provável integrante morreu após ficar cercado em um estacionamento. Não se sabe se ele se matou ou foi baleado por policiais. Depoimentos contam que ele gritou que espalhou bombas pela cidade, o que acabou deixando o aeroporto da cidade em estado de alerta, chegando a ter vários voos desviados. Ao menos duas buscas foram realizadas, mas nada foi encontrado.

Mais uma vez, o Facebook foi usado para mostrar parte desse atentado. O vídeo foi gravado por Michael Bautista e transmitido ao vivo pela rede social. Confira:

"Cruel e desprezível", diz Obama

Diante do atentado que deixou pelo menos cinco policiais mortos, o presidente dos Estados Unidos pronunciou-se dizendo que o ataque foi "cruel e desprezível". Barack Obama, que está em Varsóvia, na Polônia, para uma cúpula de líderes da Otan, informou que o FBI já participa das investigações.

"Ainda não conhecemos todos os fatos. O que sabemos é que aconteceu um ataque cruel, calculado e desprezível contra as forças de segurança. Estamos horrorizados com as mortes em Dallas. Não há justificativa para os ataques", afirmou o presidente americano.

"O que sabemos é que aconteceu um ataque cruel, calculado e desprezível contra as forças de segurança"

Medo ao vivo

O dono do Facebook, Mark Zuckerberg, enviou a sua mensagem logo após o atentado em Dallas e também se lembrou dos homens negros que foram mortos por policiais.

"As imagens que vimos esta semana são comoventes e iluminam o medo que milhões de membros da nossa comunidade vivem todos os dias. Enquanto espero que nunca tenhamos que ver outro vídeo como o de Diamond [mulher que transmitiu seu namorado agonizando até a morte], isso nos lembra como é importante nos juntarmos para construir um mundo mais aberto e conectado – e como ainda temos um longo caminho a percorrer."

"Morte sem sentido"

Através do Twitter, Tim Cook, CEO da Apple, também se pronunciou sobre o atentado:

 "As mortes sem sentido nesta semana nos lembram que a justiça ainda não está ao alcance de muitos. Nós podemos e devemos fazer melhor do que isso."

Cinco mortes confirmadas

Ainda na madrugada desta sexta-feira, o Departamento Policial de Dallas confirmou a quinta morte policial no atentado. A comunicado foi enviado através do Twitter.

"Tem sido uma noite devastadora. Estamos tristes em relatar que o quinto policial morreu."

Cupons de desconto TecMundo: