Você já parou para pensar que produzir eletricidade na sua própria casa pode reduzir — e muito — o impacto de uma produção de energia centralizada em usinas gigantescas? Pois muitos dos entusiastas da energia solar pensam exatamente isso... E é por isso que vem crescendo o número de casas com telhas solares — sendo que até mesmo a Tesla já entrou no mercado.

Pois agora, além de produzir energia no topo das casas, há cientistas que estão elaborando ferramentas para que essa geração aconteça também nas paredes. É exatamente o que você acabou de ler: estão criando formas de fazer com que as paredes sejam usadas para isso.

E não será necessário encher as paredes de placas enormes, pois a ideia é usar uma tinta especial para pintá-las. Essa "tinta solar" está sendo desenvolvida por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (Austrália), sendo constituída por óxido de titânio e um composto sintético de dissulfeto de molibdênio.

Como e quando?

Essa combinação permite que a nova tinta absorva a energia dos raios solares, tendo ainda propriedades que repelem a umidade e permitem que a tinta fique mais tempo exposta às condições do clima. Como existe essa separação entre hidrogênio e oxigênio, é possível fazer com que o oxigênio se torne combustível quando aplicado a células de energia.

De acordo com os responsáveis pelo projeto, estima-se que seja possível ver as primeiras versões comerciais das tintas especiais em um prazo de cinco anos. Eles dizem que as aplicações são bem numerosas, garantindo que "até mesmo casinhas de cachorro se tornem geradores de energia". O que ainda não se sabe é: quanto vai custar a aplicação dessa tecnologia para os consumidores?