Cidade possuirá cerca de 30 Km² (Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)
Ambientalistas e estudiosos apontam, há um bom tempo, que as mudanças radicais que o planeta está passando poderão trazer consequências sérias ao meio ambiente.

Com isso, o crescimento populacional, a urbanização e a industrialização passaram a ser vistas como possíveis “ameaças” ao ecossistema terrestre. E esse tema vem chamando tanto a atenção que o termo “sustentabilidade” passou a ser uma discussão fixa durante os encontros entre os governos de diferentes países.

Aparentemente, a China é uma das nações que estão aumentando suas considerações com o ecossistema. A prova disso se chama Tianjin Eco-City — uma cidade que será a primeira da sua “espécie”, sendo grandiosa e totalmente autossustentável. Ela é o resultado da preocupação do governo chinês com o seu amplo crescimento populacional (já são mais de 1,3 bilhão de habitantes) e industrial.

A revolução no estilo de cidades autossustentáveis

Tianjin Eco-City é um projeto colaborativo entre o governo chinês e o de Singapura que irá abrigar cerca de 350 mil pessoas. Considerado o maior do seu tipo, os planos para esta cidade verde surgiram devido ao amplo processo de urbanização que a China está passando — metade da população chinesa já reside nas cidades.

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)
Com uma quantia de habitantes na casa dos bilhões, o governo chinês precisa estar atento às necessidades básicas dos cidadãos — que estão, a cada ano, saindo da parte rural e indo para os grandes centros. Moradia, água, comida, emprego e infraestrutura são os itens básicos e podem ser ainda melhor oferecidos se estiverem igualmente enquadrados no termo “sustentabilidade”.

Assim, surgiu a ideia de criar uma área urbana sustentável — ou “ecocidade”. Tianjin Eco-City se destaca das demais “ecocidades” já existentes pelo seu projeto ser ambicioso e gigantesco: ela terá praticamente a metade do tamanho de Manhattan (cerca de 30 Km²). Toda a sua estrutura fornecerá um baixo teor de carbono, muito verde e um estilo de vida mais saudável aos seus habitantes.

Master plan

Com previsão de ser concluída em 2020, Tianjin Eco-City está estrategicamente localizada próxima a Pequim e a apenas 10 minutos de distância dos parques empresariais na Área de Desenvolvimento Econômico de Tianjin.

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)
Para se tornar um exemplo marcante de “ecocidade”, este projeto chinês quis revolucionar até mesmo a escolha do local de construção. Para isso, ele está sendo desenvolvido em um terreno industrial que servia de depósito de resíduos tóxicos e onde há um dos mares mais poluídos do mundo.

Segundo os desenvolvedores do projeto, tal decisão foi tomada com base na realidade de outras “ecocidades”. Até agora, a maioria era comumente construída em áreas ecologicamente importantes ou em terras férteis. Já a Tianjin Eco-City veio com um objetivo admirável: o de mostrar que é possível limpar e recuperar uma área poluída, tornando-a útil e agradável.

(Fonte da imagem: Reprodução/BBC)
O projeto demorou três anos apenas para limpar a área. Durante o processo, foi necessário o desenvolvimento de uma tecnologia recém-patenteada que removeu os metais pesados de um reservatório que, daqui a algum tempo, se tornará um lago “saudável”.

Estrutura

Focando no quesito “habitabilidade”, a Tianjin Eco-City terá parques e espaços verdes ao redor das suas estruturas, além de canaviais que também foram criados para atrair pássaros e auxiliar no processo de limpeza da água.

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)
Os prédios estarão dentro das normas do “Green Building Evaluation”, uma referência única que os times de Singapura e da China desenvolveram especialmente para a cidade. Além disso, muitas construções estarão envoltas por coberturas que permitirão o uso da energia solar para que haja um equilíbrio térmico nos ambientes.

Para aperfeiçoar o funcionamento estrutural da cidade, um sistema coletivo de gestão de resíduos e reciclagem será introduzido e integrado ao processo de incineração, produzindo assim energia e minimizando a pressão sobre aterros. 

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)

Distribuição de água

O abastecimento de água é um dos principais destaques no projeto. Tianjin Eco-City estará localizada em uma área naturalmente árida e contará com um sistema que vai permitir aos moradores beber o líquido diretamente de suas torneiras.

Além disso, os lagos e os canos foram ornados em argila ou em concreto para prevenir que a água salgada penetre. O projeto vai ainda mais além e há planos para a criação de uma usina que realize a dessalinização da água.

A água de esgoto também será tratada para fornecer uma fonte suplementar, e um grande esforço está sendo feito para que a Tianjin Eco-City conte com um sistema de conservação de água, além da reciclagem do líquido para a irrigação e a reutilização em sanitários.

Vida saudável aos habitantes

(Fonte da imagem: Reprodução/BBC)
Neste ano, 60 famílias já estão habitando alguns dos edifícios da Tianjin Eco-City. Apesar de ainda faltar cerca de oito anos até o final das construções, os prédios que já abrigam moradores foram projetados para obterem um mínimo de padrão verde, com recursos que são considerados raros na China. Entre eles está a economia de água sanitária, janelas de vidro duplo e uma estrutura com orientação voltada ao sul, visando aperfeiçoar a temperatura interna.

Quanto ao transporte, os responsáveis pelo projeto afirmam que os carros não serão banidos. No caso, eles não pretendem criar obstáculos para as pessoas, apenas incentivá-las a utilizar transportes de baixo carbono ou mesmo a caminharem mais.

Como está a cidade hoje (Fonte da imagem: Reprodução/Tianjin Eco-City)
Para isso, todos os locais da cidade foram programados para serem “andáveis”, tanto a pé como de bicicleta, interligando e dando acesso a todas as áreas de uma maneira fácil. Além disso, instalações de recreação livres serão oferecidas a cada 500 metros de caminhada saindo de lugar da cidade.

Os criadores da Tianjin Eco-City ainda pretendem fazer com que a cidade seja acessível a diferentes tipos de classe, afirmando que ser verde não é um luxo, mas uma necessidade. Por isso, um quinto das habitações será subsidiado para trabalhadores de baixa-renda.

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)
Se tudo der certo até 2020, os responsáveis pela maior “ecocidade” autossustentável do mundo esperam que Tianjin Eco-City se torne um modelo para futuros esforços de urbanização, tanto na China como no restante do mundo.

Fonte: BBC, CNN, Keppel Corporation, Inhabitat e Tianjin Eco-City