O que dizem os primeiros reviews do Motorola Edge+

5 min de leitura
Imagem de: O que dizem os primeiros reviews do Motorola Edge+
Imagem: Motorola/Reprodução
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Na última semana, foram anunciados os novos Motorola Edge e Edge+, celulares top de linha que deverão disputar com as variantes do iPhone 11, Galaxy S20, Huawei P40 e outros. Hoje (30), as primeiras análises da versão mais potente começaram a ser publicadas na imprensa especializada norte americana.

A Motorola, em parceria com a operadora Verizon, comercializa o smartphone nos Estados Unidos por US$ 999 — cerca de R$ 5.440 em conversão direta com base no câmbio atual. Ainda não há nenhuma estimativa de lançamento no Brasil, mas já podemos ter uma ideia do que pode chegar por aqui.

Tela e design

O Motorola Edge+ é um celular grande, mas não muito largo. Chris Velazco, do site Engadget, diz que houve uma certa preocupação no início, mas que é um dos celulares grandes mais confortáveis que ele já testou em 2020. Segundo ele, quem tem mãos pequenas não "precisa se esforçar tanto para alcançar toda a superfície".

O novo smartphone da Motorola tem vidro em ambos os lados e entrada para fones de ouvido (P2), mas mantém o design "repelente à água". Chaim Gartenberg do The Verge cita que "todos os celulares dessa categoria de preço têm classificação IP68".

No Edge+, há uma tela OLED de 6,7 polegadas Full HD+ (2340x1080p) com taxa de atualização de 90Hz. Steven Winkelman, da PCMag, avalia que ela "é suave e nítida, embora não tão suave ou densa quanto a tela do Galaxy S20 com 120Hz e 3200x1440 pixels". Já Daniel Bader, do Android Central, comenta que "ninguém deveria lamentar por sua falta de 3 dígitos" na taxa de atualização.

Tela do Motorola Edge+ tem cantos arredondados e 6,7 polegadas de tamanho.Tela do Motorola Edge+ tem cantos arredondados e 6,7 polegadas de tamanho.Fonte:  Motorola/Divulgação 

O principal destaque de sua tela são os cantos curvos, quase em 90 graus. Essa mesma proposta começou a ganhar popularidade em 2014 com o lançamento do Galaxy Note Edge (e Galaxy S6 Edge, depois), da Samsung. A fabricante chama a novidade de "Endless Edge".

"Se não fosse o logotipo da Motorola na parte de trás, seria fácil imaginar o Edge Plus como outra variante do Samsung Galaxy S20", comentou Gartenberg no Verge. Ele ainda conta que esta é uma "conquista técnica impressionante", mas que também pode proporcionar "toques acidentais na lateral da tela apenas ajustando a pegada".

Desempenho

A Motorola trouxe uma configuração potente para o Edge+. Ele vem com Snapdragon 865, 12 GB de RAM e 256 GB de armazenamento. O dispositivo também roda Android 10 de fábrica e traz todos os gestos, atalhos e recursos extras que já são marca registrada.

No Verge, Gartenberg diz que a Motorola "é uma das melhores, se não a melhor fabricante Android, quando se trata de fazer mudanças leves no sistema operacional do Google".

Ainda segundo ele, pode ser difícil encontrar uma tarefa que seja um grande desafio para o celular. "Mesmo em jogos com gráficos exigentes" ou com "aplicativos diários de e-mail, mídias sociais e aplicativos de mensagens", o desempenho foi excelente.

Velazco cita no Engadget que a configuração que a Motorola trouxe para esse smartphone "é mais do que o suficiente para qualquer um". Ele complementa: "Nada do que eu joguei durante a minha semana de testes poderia fazer o Edge+ suar".

Também vale lembrar que o Edge+ é compatível com 5G. Embora traga compatibilidade praticamente global, a nova geração das redes móveis ainda não está em pleno funcionamento em todas as regiões do mundo, e alguns analistas não puderam aproveitar bem essa experiência.

Câmeras

Nas câmeras, o Edge+ também traz configuração forte para brigar com outros dispositivos. A de maior destaque tem 108 MP (f/1.8), mas existem os sensores telefoto de 8 MP (f/2.4) para zoom óptico de 3x, de ângulo aberto de 16 MP (f/2.2) e um ToF (Time of Flight) para profundidade de campo.

"O sensor primário de 108MP do Edge+ é fantástico, trabalhando com o processador de sinal de imagem (ISP) para produzir 27 MP", escreveu Bader no Android Central. O smartphone usa a tecnologia Quad Pixel, que une 4 pixels em 1 para formar uma imagem.

Câmera principal do Motorola Edge+ compete com a do Galaxy S20 Ultra.Câmera principal do Motorola Edge+ compete com a do Galaxy S20 Ultra.Fonte:  Motorola/Reprodução 

No Gizmodo, em relação às fotografias, Sam Rutherford escreveu: "o Edge+ oferece o melhor desempenho que eu já vi em um telefone há algum tempo". Ele explica que, em locais bem-iluminados, as fotos ficam "nítidas e com alta resolução, e não deixam muito espaço para reclamações".

Ainda que o Edge+ utilize o Quad Pixel por padrão, há um modo que permite fazer fotografias com os 108 MP.

Sobre o modo de fotografias noturnas, Gartenberg diz que "ele não é compatível com modos semelhantes de dispositivos como a linha Pixel do Google ou o iPhone 11".

Bateria

O novo smartphone "parrudo" da Motorola traz uma bateria de 5 mil mAh com carregador TurboPower (18 W). Ele é o primeiro da marca a trazer carregamento por indução (15 W) e de quebra pode carregar outros dispositivos de forma reversa (5 W).

Segundo Gartenberg, a autonomia do telefone chegou a durar 2 dias em uso intenso. Ele descreve que seguiu jogando Fortnite, assistiu uma transmissão ao vivo e viu mais vídeos do TikTok do que imaginou nesse período. Sempre com a taxa de 90Hz ligada.

Velazco escreve que "de longe, a coisa mais confiável sobre o Edge+ é o tamanho de sua bateria". Para ele, o celular regularmente segurou um pouco de energia "para chegar ao meio dia do dia seguinte", saindo da tomada entre 8h e 9h da manhã. Já nos fins de semana, ele diz que "chegava perto de 2 dias de uso antes de recarregar o celular".

"A única ressalva é que o Edge+ suporta apenas o carregamento rápido de 18W, o que não é tão rápido quanto outros telefones", Chris comentou no Engadget.

Vale a pena?

No fim das contas, as primeiras impressões de sites gringos mostram que o Motorola Edge+ é um smartphone bastante potente não somente no papel. Ele traz especificações e desempenho bem-fluidos, câmeras versáteis e bateria de longa duração.

Porém, apesar das ótimas vantagens, os sites discutem se o dispositivo não acabou chegando atrasado para a competição. No Gizmodo, Rutherford cita que ele é um bom smartphone, apesar dos pequenos problemas. No entanto, além disso, ele cita que existem celulares tão competentes quanto, mas por preços inferiores — como o OnePlus 8 ou Pixel 4.

Na PCMag, Winkelman também diz que esse "é um flagship elegante e com hardware de alto nível" e que "se você está procurando por um celular com bateria de nível líder e 5G global, não precisa procurar mais". Contudo, ele também toca no ponto de que opções como o Galaxy S20 ou OnePlus 8 podem ser mais viáveis.

Gartenberg também comentou que ele está em uma posição complicada entre os atuais flagships, mas concorda que "a Motorola criou um ótimo celular com o Edge+" e completou "A questão é que, no mercado de telefones super-saturados de hoje, 'incrível' ainda não é bom o suficiente".

Comentários

Conteúdo disponível somente online
O que dizem os primeiros reviews do Motorola Edge+