Escolher o “melhor smartphone” é algo muito subjetivo e tem muito a ver com o gosto pessoal de cada um. Algumas pessoas dão mais importância para o design, outras para a tela, para a câmera ou ainda para software e desempenho do dispositivo.

Eu considero tudo isso e mais um bocado de coisas quando faço análises de smartphones aqui no TecMundo. Mas é necessário tratar as análises com um tanto de objetividade, o que me faz filtrar várias das minhas preferências pessoais mais específicas. Dessa maneira, nessa lista dos cinco melhores celulares que eu testei em 2018, você lerá a minha preferência pessoal mesmo.

Não serei mais objetivo que subjetivo, bem pelo contrário. Direi realmente o que me agrada e o que me desagrada, independente do que pode ser considerado melhor ou pior tecnicamente. Também não darei muito peso para preço ou disponibilidade no mercado nacional. Aparelhos que eu não testei, naturalmente, também não entram na lista.

Se faltou algum smartphone que você curtiu, dê uma conferida na lista do outro Léo, o Rocha. Ele testou dispositivos diferentes ao longo do ano e tem outra seleção para você conferir. Dito isso, vamos começar a falar desses smartphones!

5. Blu V XI+

Esse foi um dos aparelhos que mais me surpreendeu durante o ano. Talvez porque eu não tinha muitas expectativas para Blu V XI+, considerando que a marca não é uma das mais recorrentes no noticiário de tecnologia. Mas o fato é que se trata de um bom smartphone, que entrega bastante por um preço camarada.

Esse celular não tira as melhores fotos entre seus concorrentes intermediários premium, mas ele conta com uma biometria muito avançada, comparável ao Face ID da Apple. O desempenho do celular é bem interessante. Mas o que me deixou mais interessado foi o fato de a opção com 128 GB de armazenamento custar pouca coisa a mais que a de 64 GB. Ou seja, pelo menos uma vez vale mais a pena pegar a versão mais completa de um celular no mercado brasileiro.

O Blu V XI+ tem sim alguns elementos que me desagradaram, como o design copiado do iPhone X e o famigerado notch, mas ele consegue compensar esses defeitos seus benefícios. Você pode ler mais sobre o dito celular aqui.

4. Moto G6 Plus

Testei um monte de smartphones intermediários neste ano, mas nenhum deles trouxe um conjunto de funcionalidades tão completo quanto o Moto G6 Plus da Motorola. Na minha opinião, essa marca norte-americana de propriedade da chinesa Lenovo ainda é a melhor no mercado nacional quando se fala em intermediários.

Esse é o único smartphone que eu consigo recomendar com segurança para qualquer pessoa que busca comprar um celular bom e barato. Esse aparelho traz um bom desempenho, bom design com qualidade de construção, e o conjunto de câmeras evoluiu bastante. Gostei do fato de a Motorola ter migrado para o formato de tela mais alongado e para a USB-C, dois itens essenciais em 2018.

3. iPhone Xs Max

O top de linha da Apple para este ano foi uma experiência muito extrema para mim. Foi extremo nos dois sentidos, bom e ruim. o iPhone Xs Max tem um design mais interessante do que eu pensava quando via fotos, mas tem uma construção frágil. É muito fácil riscar o vidro desse aparelho, bem ao contrário do que diz a Maçã em seu material publicitário.

Ao passo que ele tem um desempenho excelente — talvez o melhor que eu pude testar em 2018 —, o iOS, para mim, continua extremamente frustrante e limitado. Eu simplesmente não consigo engolir a bagunça das notificações, das configurações e a relativa lentidão para baixar apps na App Store.

Tem ainda a câmera, que é excelente, talvez uma das melhores do mercado mobile em todo o mundo. Ela tira boas fotos em praticamente qualquer situação de luz, mas ainda exagera um pouco no Smart HDR.

No geral, foi uma experiência positiva, mas foi ainda melhor quando eu pude voltar para o meu próprio celular.

2. Mi Mix 2S

Esse aqui foi o celular mais bonito que eu testei no ano. O Mi Mix 2S já é muito interessante nas fotos, mas, na sua mão, a coisa é de outro nível. A Xiaomi realmente merece todos os parabéns na construção e no design desse dispositivo. Até a capinha original que vem na caixa do aparelho é bonita. Combina perfeitamente com o celular sem deixá-lo muito mais grosso.

O fato de a tela ocupar quase toda a face frontal do celular colabora muito para esse design espetacular, e curiosamente eu não me importo com a borda inferir maior que as outras três. Ela até ajuda no manejo do smartphone.

A câmera do Mi Mix 2S é excelente e o aparelho tem um desempenho de top de linha. Só falta a Xiaomi simplificar um pouco a personalização do aparelho e o software também estará perfeito para o meu gosto.

1. OnePlus 5T

O meu smartphone preferido do ano foi o OnePlus 5T. Eu tive a oportunidade de brincar um pouco com o OnePlus 6, mas aquele notch estragou o design do aparelho para mim. O OnePlus 6T, por outro lado, já é mais interessante nesse sentido. Mas voltando ao celular que eu realmente analisei: trata-se de um produto completíssimo.

Ele faz fotos muito boas (não melhores que Mi Mix 2s ou iPhone Xs Max), tem um design bem neutro com qualidade de construção quase impecável e bastante resistência. O desempenho é fantástico para atividades no dia a dia, e você não encontra qualquer momento de lentidão com esse dispositivo.

O software da OnePlus é o tudo aquilo que os amantes do Robô desejam e traz a combinação certa de personalização com funcionalidade real. Nada aqui é inútil ou feito apenas para chamar atenção. Você consegue fazer uso real de todas as possibilidades desse software.

Mas onde o OnePlus 5T realmente brilhou, na minha opinião, foi na autonomia de bateria. Ele não perde muita carga à toa, quando está parado sem uso, e consegue durar um dia e meio tranquilamente para o meu padrão de uso intermediário-avançado.

Eu não jogo muito, mas vejo bastante vídeo online no YouTube e na Netflix, mas ele consegue dar conta do tranco. É um celular extremamente confiável. Por isso, acabei comprando um e tenho usado como meu aparelho pessoal desde então.

***

Essa foi a seleção dos aparelhos que eu mais gostei entre os modelos que testei para o TecMundo. Me conta também quais foram os seus preferidos de 2018 na seção de comentários!