Um estudo publicado pelo professor Douglas Schmidt, da Vanderbilt University, vem causando certo barulho na indústria de tecnologia. Chamado de “Google Data Collection” (Coleta de dados da Google), a pesquisa acusa a Google de receber 10 vezes mais dados por meio de um smartphone Android ocioso do que a Apple recolhe de iPhones, o que representa 40 vezes por hora. A publicação vem em um péssimo momento para a companhia de Mountain View, que recentemente admitiu rastrear usuários com a localização desligada.

Segundo o levantamento, um aparelho Android rodando o Chrome em segundo plano comunicou mais de 900 amostras de dados para vários pontos de extremidade do servidor da Google. Desse total, aproximadamente 35% (ou 14 por hora) são relacionados a localização. Os domínios de anúncios ficaram com apenas 3% do tráfego, o que se deve principalmente ao fato de o navegador para dispositivos móveis não ter sido usado ativamente durante o período de coleta.

Os 62% restantes das conexões foram divididas entre solicitações para Play Store, uploads relatórios de falhas e autorização de dispositivos e outras informações sobre serviços, como chamadas de fundo e atualizações. Isso tudo acontece para a empresa descobrir seus interesses. No conteúdo trocado, a Google verifica suas coordenadas de localização em intervalos de tempo diferentes, para determinar se você está andando, correndo, pegando um ônibus, andando de bicicleta ou voando de avião.

google

Em termos de envio de dados de localização, os números são cerca de 50 vezes mais o que um iPhone rodando Safari manda para a Google, pois o browser só se comunica com a companhia de Mountain View quando o usuário está usando o telefone. De acordo com o relatório, os dispositivos Android enviaram 4.4 MB de dados para os servidores, seis vezes mais que a quantidade encaminhada pelos iPhones para a Google.

O que dizem a Google e a Apple

Como a própria Google admitiu, ela continua coletando dados mesmo quando o “Histórico de localização” está desligado. Segundo a empresa, essas informações são usadas para segmentação de anúncios, que continua sendo o principal modelo de negócios da empresa. Como essa prática vem sendo questionada e até mesmo levou a uma ação coletiva, com usuários alegando quebra de privacidade, o assunto deve continuar sendo discutido.

Já a Apple usa privacidade diferenciada para coletar dados de uso anônimo de iPhones, iPads e Macs, permitindo que ela faça um apanhado de um grande número de usuários sem comprometer especificamente as particularidades de nenhum indivíduo. A Maçã diz que as informações são usadas para melhorar serviços da Siri e para ajudar a identificar sites problemáticos que usam muita energia ou muita memória no Safari — mas esses dados seriam randomizados antes de serem enviados dos dispositivos, para que seus servidores nunca identifiquem os perfis.