(Fonte da imagem: BBC News)

Após três anos de disputas judiciais, o austríaco Niko Alm obteve o direito de aparecer em sua carteira de motorista usando um escorredor de macarrão como capacete. O direito foi obtido se aproveitando de um recurso da lei do país, que permite que pessoas aleguem motivos religiosos para utilizar alguma espécie de acessório nesse tipo de fotografia.

Apesar de Alm se declarar abertamente como um ateísta, usou como argumento de defesa a justificativa de que a proibição ia contra sua crença no Monstro do Espaguete Voador. Surgida de um livro satírico escrito por Bobby Henderson, a criatura é descrita como a verdadeira criadora do universo e responsável por tudo o que acontece no mundo.

O Monstro do Espaguete Voador foi criado como uma forma de protesto contra o sistema educacional do estado americano do Kansas, que obrigava as escolas a ensinar o criacionismo como uma alternativa à evolução natural das espécies. Aqueles que aderiram à brincadeira se consideram pastafarianistas, termo surgido a partir de um trocadilho entre as palavras pasta (macarrão em italiano e inglês) e rastafári.

Forma de protesto

(Fonte da imagem: Church of the Flying Spaghetti Monster)Segundo um representante da polícia austríaca, os motivos que levaram a foto a ser aprovada não tiveram nada a ver com religião. O fato de o rosto de Alm estar totalmente visível e o escorredor não interferir em sua identificação foram suficientes para que a imagem fosse permitida.

Após receber a carteira de motorista, autoridades da Áustria obrigaram o pastafarianista a passar por testes psicológicos como forma de provar que estava apto a dirigir. Segundo Alm, a ideia de posar com um escorredor de macarrão na cabeça surgiu como uma forma de provar um ponto sério, porém irônico, quanto às vantagens que o estado concede àqueles que se declaram religiosos.