Quando um computador começa a ficar lento ou a apresentar problemas na abertura dos arquivos, a primeira coisa que passa pela cabeça de muitos usuários é que está na hora de desfragmentar o disco rígido. Essa tarefa tornou-se tão comum que praticamente qualquer dono de PC conhece termos como “disco fragmentado” e sabe exatamente o que significa.

De fato, desfragmentar o disco é uma atividade bastante antiga e muito necessária nos computadores. Porém, com toda essa evolução na tecnologia dos HDs e dos próprios sistemas operacionais, ainda é preciso organizar os dispositivos manualmente, como era feito quando as máquinas começaram a ficar mais populares?

A resposta curta a essa pergunta é: não, você não precisa mais desfragmentar o disco rígido manualmente, desde que esteja usando HDs mais modernos e um dos últimos sistemas operacionais lançados no mercado. Por que dessas condições?

Mais moderno = tecnologia melhor

Os HDs evoluíram muito com o passar dos anos, e não apenas no que diz respeito à capacidade de armazenamento. A parte mecânica dos discos melhorou de forma monstruosa se comparar o hardware atual com os gigantes “big foot”, usados em meados da década de 90. O mesmo pode ser dito dos sistemas operacionais.

Falando especificamente do Windows, as versões novas do SO têm a capacidade de acessar os arquivos de forma muito mais rápida, mas exigindo bem menos esforço do braço de leitura presente nos HDs. Isso porque a forma com a qual o sistema armazena os dados é diferente daquela presente nas edições anteriores ao Vista.

Windows 7 e SSD, uma combinação poderosa

As máquinas com os Discos de Estado Sólido (SSD, do inglês) estão cada vez mais comuns no mercado. Como utiliza uma tecnologia diferente dos HD comuns (memória flash no lugar de discos magnéticos), esse tipo de dispositivo não precisa ser desfragmentado nunca. Eles trabalham de maneira excepcional com operações de acesso aleatório, e a organização dos dados não é realmente útil para os SSDs.

Os sistemas operacionais precisaram se adaptar a essa nova tecnologia. No caso do Windows 7, o SO é esperto o suficiente para desabilitar automaticamente a desfragmentação automática quando identifica que discos e partições SSDs.

No caso do Windows Vista, é bom verificar se a funcionalidade de organização automática do disco foi desligada pelo sistema, pois quando no lançamento do SO, o recurso de reconhecimento de SSDs ainda estava em desenvolvimento. Usuários do Windows XP não precisam se preocupar com a ferramenta de desfragmentação automática, pois o SO não a possui. Basta ter o cuidado de não executar a opção manualmente.

Windows 7 e Vista em HDs comuns

Como citado anteriormente, as novas versões do Windows têm recursos mais inteligentes, que fazem com que o sistema armazene os dados de forma mais organizada. Mesmo assim, ainda é preciso desfragmentar o disco rígido de tempos em tempos.

A diferença é que no caso dos Windows 7 e Vista, a desfragmentação é feita automaticamente. Por padrão, a atividade é agendada para as quartas-feiras, à 1 hora da manhã, mas você pode configurar para qualquer dia da semana e horário.

Obviamente, para que a tarefa seja executada toda semana, é preciso que a máquina esteja ligada no horário agendado. Você pode verificar quando foi a última vez que a desfragmentação rodou por completo acessando a tela do “Desfragmentador de disco”. Outras informações, como o nível de “bagunça” do disco, também podem ser conferidos na? janela da ferramenta.

Um tutorial completo ensinando a programar o Windows 7 pode ser visto em “Dicas do Windows 7: desfragmentação de discos automática”.

E para o Windows XP?

Um dos mais aclamados sistemas operacionais da Microsoft, o Windows XP infelizmente não possui desfragmentação automática dos discos rígidos. Isso não é exatamente uma surpresa, já que boa parte dos SOs com mais de seis anos de mercado não possui essa funcionalidade também (o XP foi lançado há mais de 10 anos).

Além de executar o recurso do sistema manualmente, existem algumas ferramentas que podem ajudar na execução automática do desfragmentador, como o Defrag Timer ou o Task Till Dawn. O tutorial “Como agendar tarefas de manutenção para limpar o computador automaticamente” também pode ser muito útil.

Aplicativos externos

Além da funcionalidade do próprio sistema operacional, existem diversos aplicativo externos que oferecem o recurso de desfragmentação não só para o disco como para o registro também.

Embora haja uma discussão bem grande a respeito da superioridade que os programas externos têm em relação aos recursos nativos, é certo que os aplicativos são ao menos equivalentes às ferramentas dos SOs quando o assunto é a eficiência da desfragmentação. Dessa forma, não há mal algum em usar outros softwares para executar essa atividade. É tudo uma questão de adaptação do usuário.

Algumas boas opções de software são o PerfectDisk Professional, Auslogics Disk Defrag, JkDefrag GUI e SmartDefrag. A melhor maneira de descobrir qual é o melhor para o seu perfil de usuário é testando alguns deles.

Quer saber mais?

Se você ficou curioso para entender em maiores detalhes como a desfragmentação de disco acontece, não deixe de acessar os artigos relacionados abaixo. Eles trazem muito mais informações a respeito dessa atividade importante para o disco, mas que está começando a ficar obsoleta.

Resumindo...

Sim, ainda é preciso desfragmentar o computador nos dias de hoje. Porém, você não precisa mais se preocupar tanto com isso como acontecia antes. Os próprios sistemas operacionais se encarregam de iniciar a execução da tarefa de organizar melhor os dados no disco rígido. E com a popularização dos SSDs, logo a ferramenta de desfragmentação poderá ser cortada das funcionalidades dos SOs.

Cupons de desconto TecMundo: