Netflix investe US$ 100 mi para ampliar a diversidade nas atrações

1 min de leitura
Imagem de: Netflix investe US$ 100 mi para ampliar a diversidade nas atrações
Imagem: Wired/Reprodução
Avatar do autor

A plataforma de streaming Netflix divulgou um estudo abrangente sobre a diversidade e inclusão em seu catálogo. A pesquisa foi desenvolvida em parceria com Annenberg Inclusion Initiative da Universidade do Sul da Califórnia.

O relatório foi baseado nos filmes e séries com roteiros lançados durante os anos de 2018 e 2019. Dessa maneira, ele analisa a composição de talentos atrás das câmeras, incluindo criadores, produtores, roteiristas e diretores.

Shonda Rhimes, criadora de Grey’s Anatomy e Bridgerton, tem contrato exclusivo com a Netflix.Shonda Rhimes, criadora de Grey’s Anatomy e Bridgerton, tem contrato exclusivo com a Netflix.Fonte:  Shutterstock/Reprodução 

Na frente das câmeras, o estudo mostrou que 52% das produções da Netflix possuem mulheres como protagonistas. Isso significa que a plataforma atingiu o índice de paridade de gênero nas representações em tela.

Atrás das câmeras, a companhia teve um resultado bem mais alto do que a indústria. Por exemplo, 23,1% dos filmes de ficção feitos pela plataforma foram dirigidos por mulheres. Enquanto isso, apenas 7,6% dos longas de maior bilheteria de Hollywood tiveram mulheres no comando.

O número de mulheres negras que dirigiram produções da Netflix foi quase o triplo em comparação aos 100 principais filmes da indústria (6,2% contra 2,2%). Porém, isso não se repete nas séries: 5,9% das atrações tiveram diretoras negras contra 7,1% em todo setor.

Diretora Gina Prince-Bythewood e as atrizes Kiki Layne e Charlize Theron no set de The Old Guard (2020).Diretora Gina Prince-Bythewood e as atrizes Kiki Layne e Charlize Theron no set de The Old Guard (2020).Fonte:  Netflix/Divulgação 

Investimento em diversidade

Após a divulgação do estudo, a Netflix anunciou a criação de um fundo de US$ 100 milhões para ações direcionadas a equidade em suas produções. Ela também criará programas para “identificar, treinar e fornecer empregos para talentos emergentes”.

Segundo Ted Sarandos, co-CEO e diretor de conteúdo da Netflix, a plataforma ainda está nos estágios iniciais de uma grande mudança. Então, ele espera que esses esforços estimulem não apenas companhia, mas todo o setor.

“Grandes histórias podem realmente vir de qualquer lugar, ser criadas por qualquer pessoa, qualquer que seja sua origem, e ser amadas em qualquer lugar”, disse o executivo.

Netflix investe US$ 100 mi para ampliar a diversidade nas atrações