Trump se compara a Thanos, um genocida, em vídeo de campanha eleitoral

1 min de leitura
Imagem de: Trump se compara a Thanos, um genocida, em vídeo de campanha eleitoral
Avatar do autor

Em meio à sua campanha de reeleição para presidente dos Estados Unidos, Donald Trump lançou um vídeo promocional no Twitter, na última terça-feira (10), no qual se transforma em Thanos, dos Vingadores, e elimina os democratas, seus concorrentes na disputa pela Casa Branca.

A peça publicitária postada pelo perfil intitulado “Trump War Room”, gerenciado pelos coordenadores da campanha eleitoral de Trump, foi montada em cima de uma cena de Vingadores: Ultimato onde o vilão do Universo Cinematográfico Marvel tenta usar a Manopla do Infinito para dizimar metade da humanidade.

Ele faz o famoso discurso “Eu sou inevitável”, estala os dedos e a seguir a presidente da Câmara Nancy Pelosi e outros líderes democratas desaparecem como se fossem pó, devido aos poderes do personagem que tem o rosto de Trump e o corpo de Thanos. Confira a postagem:

Quem não gostou nada desta história foi Jim Starlin, o criador do Thanos. Em entrevista ao Hollywood Reporter, ele afirma que se sentiu violado ao ver o presidente usar a sua criação para “acariciar seu ego infantil” e também chateado por descobrir que o líder do país gosta de se comparar a um assassino em massa. Continuando as críticas, o quadrinista chamou Trump de “idiota pomposo”.

Resposta ao processo de impeachment

O vídeo em que Trump aparece como Thanos surge exatamente no momento em que o processo de impeachment do presidente americano avança na Câmara dos Deputados. Por isso, a montagem está sendo considerada uma resposta aos oponentes, na tentativa de mostrar que ele tem o poder de derrotá-los.

Além do vídeo, a postagem traz a seguinte legenda: “Os democratas da Câmara podem tentar passar este falso impeachment o quanto quiserem. A reeleição do presidente Trump é inevitável”.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Trump se compara a Thanos, um genocida, em vídeo de campanha eleitoral