Um projeto para alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) foi aprovado hoje (5) pelo Senado. Esse projeto regulamenta a ação de policiais infiltrados na internet que têm como objetivo a investigação de pedofilia e crime contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes, segundo o G1.

Investigações terão tempo máximo de 90 dias, que podem ser prorrogados por dois anos

Agora, como a alteração no projeto já foi aprovada pela Câmara, o atual presidente, Michel Temer, será o responsável pela sanção. Com origem datada de 2006, o projeto também permite que autoridades judiciais e o Ministério Público solicitem relatórios parciais de investigações antes do encerramento de cada uma delas.

O Senado também deixou claro com a sanção que os policiais envolvidos em infiltrações sobre pedofilia podem apurar os crimes na internet dentro de um prazo de 90 dias — mas que podem ser prorrogados por mais dois anos.

Mais detalhes do projeto

Todos os dados obtidos pelos policiais devem ser remetidos ao juiz responsável pelo processo, "que deverá manter o sigilo de informações, como nomes, apelidos de usuários, endereços de IP e códigos de acesso", nota o G1.

Ocultação de identidade não será crime

Os policiais não poderão decidir "por conta própria" se a infiltração é válida: o projeto indica que é necessária autorização judicial, mediante pedido do Ministério Público ou de delegado de polícia.

Caso existam excessos pela parte policial, a autoridade responderá pelo excesso praticado durante a investigação — contudo, a ocultação de identidade para recolhimento de provas não será crime.

Cupons de desconto TecMundo: