O MercadoLivre venezuelano, chamado em espanhol MercadoLibre, terá que implementar vários filtros restritivos e ainda fornecer informações confidenciais diretamente para os fiscais do governo de Nicolás Maduro. As medidas foram anunciadas no canal estatal VTV por Jorge Arreaza, vice-presidente da Venezuela.

Segundo Arreaza, não poderão ser mais listados no site produtos que atualmente estão em falta no país, como pneus, baterias de automóveis e medicamentos. Além da restrição, os administradores do site terão que fornecer, sempre que exigido pela autoridade, dados privados das pessoas que compram ou vendem itens restritos.

Arreaza ainda explicou que será instaurada uma força-tarefa com a ajuda da polícia científica venezuelana para identificar e cobrar os “especuladores” e “estafadores” que vendem produtos escassos a preços exagerados baseados na cotação do dólar paralelo.

“Teremos acesso aos compradores porque, sem dúvida, ali [no MercadoLivre] há evasão de impostos. O Seniat (Receita Federal da Venezuela) fará uma revisão exaustiva para punir aqueles que evadem tributos por essa via”, concluiu o vice-presidente.

O governo venezuelano está enfrentando a pior crise econômica da sua história, que é em parte agravada pela queda no valor do petróleo (que representa 90% das receitas do país). Como a Venezuela precisa importar praticamente tudo o que consome, já que a produção nacional foi dizimada nos últimos anos, centenas de produtos desaparecem das lojas e só são encontrados a preços exorbitantes no mercado paralelo.

Drogas? Que nada! O governo da Venezuela vai atrás de você por vender pneus e baterias! Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: