Afetado pela estagnação da economia em 2014 e pela perspectiva de recessão neste ano, o Brasil despencou no ranking global do varejo online.

Entre 2014 e 2015, o País perdeu 14 posições, saindo do 7º para o 21º lugar numa lista dos 30 principais países com maior atratividade no comércio eletrônico, segundo a consultoria A.T. Kearney, responsável pelo Índice de E-Commerce de Varejo Global 2015.

O tombo do País nesse ranking só foi superado pelo da Argentina, que já está em recessão, caiu 18 posições e agora é o penúltimo país da lista, à frente apenas da Irlanda.

"Não esperávamos uma queda tão forte", afirma a sócia da consultoria para área de bens de consumo e varejo, Priscilla Seki. Ela observa que a retração do Brasil foi muito influenciada pela conjuntura econômica. Para o cálculo do indicador que considera 9 variáveis, agrupadas em tamanho do mercado online, comportamento de compra do consumidor, potencial de crescimento e infraestrutura, a expectativa da consultoria é de retração de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano.

Apesar do tombo por questões conjunturais, Priscilla pondera que o País é mercado importante para o comércio online. Em 2014 o varejo online brasileiro movimentou US$ 13 bilhões e cresceu 18%. Isso fez do Brasil o 9º maior mercado em vendas entre 98 países analisados pela consultoria. Ela destaca que o brasileiro é muito conectado, com 106 milhões de usuários de internet e 60 milhões de consumidores online.

Para Gerson Rolim, diretor da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, o varejo online brasileiro deve crescer 20% este ano, apesar da crise. É que em períodos de enfraquecimento da economia, como foi em 2009, o setor avança porque as pessoas pesquisam preços antes de comprar e essa prática é mais fácil no comércio online.

O executivo pondera também que, como o ranking é feito a partir do faturamento em dólar, com a desvalorização do real, o mercado brasileiro encolheu em moeda estrangeira. De acordo com a consultoria, o tamanho do mercado pesa 40% no cálculo do indicador.

Quanto às deficiências em infraestrutura, elas também são consideradas no índice, mas Priscilla diz que influenciou pouco no resultado porque o mercado está concentrado no Sudeste do País, a região dotada de melhor infraestrutura.

Topo

Neste ano, os Estados Unidos retomaram a liderança do ranking do varejo online, posto que era ocupado pela China desde a crise de 2009. Priscilla observa que os EUA se destacaram devido ao crescimento da economia do país e à maior confiança do consumidor. No ano passado, o comércio online americano cresceu 15%.

A sócia da consultoria atribui uma parcela da queda do Brasil no ranking à evolução positiva das economias desenvolvidas, como os EUA e países europeus que até pouco tempo atrás estava debilitados pela crise e agora começam a avançar.

Países asiáticos, como Japão, Coreia do Sul também perderam posições no ranking global deste ano e o motivo para o recuo, além do avanço de outras economias desenvolvidas, é uma certa saturação desses mercados. No ano passado, as vendas globais online atingiram US$ 800 bilhões e cresceram 20%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Márcia De Chiara - São Paulo

Via EmResumo

Cupons de desconto TecMundo: