Sistema Nacional de Meteorologia é extinto em meio à crise hídrica

1 min de leitura
Imagem de: Sistema Nacional de Meteorologia é extinto em meio à crise hídrica
Imagem: YouTube/Inmet/Reprodução
Avatar do autor

O governo federal suspendeu as atividades do Sistema Nacional de Meteorologia (SNM), de acordo com informações divulgadas pelo Estadão na quinta-feira (30). O órgão era responsável pela coordenação dos principais institutos da área, que estão distribuídos em três ministérios.

Criado em maio de 2021, o SNM foi o responsável pela divulgação de um alerta de emergência hídrica até setembro na bacia hidrográfica do Paraná, que abrange os estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais, além do próprio Paraná. Nos meses seguintes, o aviso foi confirmado e gerou uma preocupação de apagão no Brasil.

Segundo o Estadão, os representantes do SNM passaram a participar de reuniões na Casa Civil da Presidência da República sobre as emergências hidrológica e energética, enquanto a Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos estudava um decreto para formalizar e instrumentalizar o sistema, que já estava em funcionamento. Sem chegar a existir formalmente, o governo federal decidiu pela suspensão do SNM e não divulgou as razões que levaram a esta decisão.

Como funcionava o Sistema Nacional de Meteorologia?

Sistema Nacional de Meteorologia gerou alerta para crise hídrica (Fonte: AEN/Geraldo Bubniak/Reprodução)Sistema Nacional de Meteorologia gerou alerta para crise hídrica (Fonte: AEN/Geraldo Bubniak/Reprodução)Fonte:  AEN/Geraldo Bubniak/Reprodução 

O objetivo do Sistema Nacional de Meteorologia era coordenar as atividades do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), eliminando sobreposições de operações para gerar uma cadeia de processos, produtos e dados interligados e complementares.

Por exemplo, o sistema fez com que o Inpe deixasse de divulgar as previsões de tempo e os avisos meteorológicos ao público, já que a atividade já era realizada pelo Inmet. Com isso, os boletins climáticos tiveram uma maior eficiência, trazendo informações mais detalhadas para produtores rurais decidirem o momento de plantar e colher.

A Casa Civil destacou que os trabalhos desenvolvidos em conjunto pela três entidades melhorou a qualidade do monitoramento, em especial de queimadas e desmatamento, e a previsão de eventos meteorológicos. Apesar da suspensão do sistema, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou, em nota, que a cooperação entre o Inmet, o Inpe e o Censipam continua.