Nova malha futurística é super resistente e flexível ao mesmo tempo

2 min de leitura
Imagem de: Nova malha futurística é super resistente e flexível ao mesmo tempo
Imagem: Caltech/Reprodução
Avatar do autor

Imagine uma malha tão resistente quanto o metal mais duro, mas que pode se tornar flexível a ponto de se moldar ao corpo humano facilmente. Embora esse pareça ser um conceito tirado de filmes de ficção científica, esse material acaba de ser criado por pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) e pode oferecer uma série de aplicações na indústria.

Desenvolvido com a ajuda da tecnologia de impressão 3D, o tecido é composto por polímeros de nylon no formato de octaedros – uma forma com oito faces triangulares iguais – ocos que se interligam. Em seu formato natural, a malha é flexível como se fosse um pedaço de pano. Porém, quando embrulhado e embalado a vácuo, ele se torna uma estrutura 25 vezes mais rígida.

Nova malhaNova malha desenvolvida por cientistas do Caltech (EUA) embalada a vácuo (créditos: Caltech/reprodução)

A ciência por trás da malha

O princípio físico que está por trás do funcionamento da malha é chamado de “transição de bloqueio”. Esse fenômeno acontece quando pequenas partículas são colocadas tão próximas umas das outras que oferecem uma resistência superior a quando elas estavam separadas.

Isso é semelhante ao que acontece com o pó de café; quando não está comprimido, o material é leve e pode se moldar facilmente a qualquer superfície. No entanto, quando submetido ao vácuo, o composto se torna uma estrutura bem rígida capaz de aguentar várias vezes o seu peso sem apresentar deformação.

O diferencial dessa malha, porém, é a capacidade de mudar rapidamente sua resistência apenas retirando-se o ar de sua estrutura. Essa característica torna o tecido um excelente candidato para uma série de aplicações na indústria e que pode revolucionar completamente diversos setores.

Também batizado de “tecido estruturado vestível”, essa malha está sendo considerada como um substituto viável para o colete à prova de balas ou golpes de faca. Por conta de sua leveza, ele poderia ser tão fino quando uma camiseta, mas resistente a projéteis e objetos perfurantes.

O material também poderia ser usado como suporte médico configurável para idosos ou pessoas com algum tipo de limitação. Próteses e imobilizadores de movimento também poderiam ser criados a partir do tecido, substituindo o gesso na hora de criar estruturas rígidas.

Contudo, uma das aplicações mais promissoras é na área industrial, com a possibilidade de criação de exoesqueletos completos para proteção de trabalhadores. Já que o material também é capaz de oferecer flexibilidade, ele poderia ser “vestido” como uma roupa que preveniria acidentes em obras e ambientes potencialmente perigosos para os profissionais.

A partir de agora, os pesquisadores envolvidos no projeto afirmam que vão tentar melhorar ainda mais o desempenho da malha e explorar outras formas de enrijecê-la, como através da eletricidade, magnetismo e temperatura.

ARTIGO Nature: doi.org/10.1038/s41586-021-03698-7