5 curiosidades astronômicas da semana #AstroMiniBR [22/07]

4 min de leitura
Imagem de: 5 curiosidades astronômicas da semana #AstroMiniBR [22/07]
Imagem: NASA
Avatar do autor

#1: 52 anos da ida à Lua!

No dia 17 de Julho de 1969 foi a data em que o primeiro homem pisou em um corpo celeste além da Terra. Foi o primeiro passo da humanidade em direção às estrelas, e isso apenas 63 anos depois que Santos Dumont conquistou os nossos céus pela primeira vez. Esse ano comemora-se 52 anos desse marco histórico para a humanidade. Estamos avançando cada vez mais rápido! Apesar da animação que essas conquistas trazem, precisamos sempre lembrar que a Terra é só um pequeno ponto azul no Universo e não existe Planeta B para nós. Conquistar as estrelas cuidando da nossa casa é a única forma de sucesso para o futuro da humanidade.

#2: Quais são as maiores luas do Sistema Solar?

Você conhece as maiores luas do Sistema Solar? Assim como a Terra, outros planetas também possuem satélites naturais e alguns desses satélites podem ser maiores que outros planetas! Por exemplo, Ganimedes, a maior lua do Sistema Solar, é também maior que o planeta Mercúrio! E, apesar da Terra não ser nem de longe um dos maiores planetas do Sistema Solar, nossa Lua entra no ranking em 5o lugar!

#3: Descoberta dos anéis de Saturno

Você consegue imaginar como foi descobrir os anéis de Saturno? A gente tá falando da primeira vez que um objeto dessa forma foi observado. Com certeza gerou muita confusão. Não é à toa que Galileo Galilei, o primeiro a observar essa estrutura, considerou a princípio que seriam luas, porque esses tipo de objeto era conhecido aqui da Terra. Com a continuação das observações, foi compreendido que se tratava de anéis! Além disso, outros planetas gasosos também possuem anéis, como Urano e Netuno.

#4: Hubble passa bem!

Hubble? Você está bem?

Ótimas notícias! Apesar de um mês de tensão, os engenheiros e cientistas da NASA finalmente conseguiram identificar o problema do Telescópio Espacial Hubble e consertar efetivamente! Isso é possível pois o telescópio Hubble está relativamente próximo da Terra, então missões de reparo são possíveis e constantes, não é à toa que ele está firme e forte depois de mais de 30 anos de trabalho de ponta! Você sabia que quando o Hubble foi lançado ele estava “míope”? Uma aberração nos espelhos fez com que as primeiras imagens estivessem borradas. Depois de uma viagem de reparação, o telescópio passou a operar à altura das promessas e até hoje segue a nos maravilhar com imagens dos segredos do Universo.

#5: Planetas… pelados?

A Terra possui uma atmosfera envolvente que garante nossa existência. Ela é a única? Definitivamente não, outros planetas rochosos também possuem. Os nossos vizinhos são dois exemplos extremos: Vênus possui uma atmosfera extremamente densa que levou o planeta a um efeito estufa descontrolado (uma pequena amostra do que pode acontecer aqui). Do outro lado temos Marte, que possui uma atmosfera super rarefeita, quase inexistente. Então, como um (exo)planeta pode ficar “pelado”? Existem vários fatores: pouca gravidade para segurar a atmosfera, um campo magnético fraco que não consegue protegê-la, estar muito próximo da estrela e receber muita radiação. Bem, que bom que a Terra conseguiu manter seu manto e podemos viver aqui!

#Bônus: Pegar carona nessa cauda do cometa

Essas são imagens incríveis feitas pela sonda Rosetta em 2016, diretamente da superfície do cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko. Isso mesmo, a sonda viajou milhares de quilômetros, aterrizou em um cometa que estava viajando pelo Sistema Solar e fez estudos in situ! Todo processo foi extremamente complicado, claro, e trouxe muitos resultados científicos. Um deles foi a possível detecção de material orgânico. Cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA) afirmam que vida microbiana pode ter habitado o cometa no passado! Seria a panspermia uma realidade? Qual origem da Vida afinal?

Gostou das curiosidades dessa semana? Fica de olho na #AstroMiniBR para não perder nenhuma!