Iceberg do tamanho do Rio de Janeiro se desprendeu da Antártica

1 min de leitura
Imagem de: Iceberg do tamanho do Rio de Janeiro se desprendeu da Antártica
Imagem: Avankints/Reprodução
Avatar do autor

Um iceberg gigante com cerca de 1.270 km² se desprendeu da Antártica e gerou euforia na comunidade acadêmica. Embora pareça algo alarmante, sobretudo considerando as dimensões do icerberg, que é quase do tamanho da cidade do Rio de Janeiro, trata-se de uma boa notícia. Isso porque descolamentos como esse indicam uma reorganização da natureza em busca de equilíbrio nas áreas geladas.

O fenômeno ocorreu na região de Brunt e foi descrito pelos cientistas como "espetacular" porque, além de raro, ocorreu de forma natural e, ao contrário do que parece, não possui relação com mudanças climáticas. O último grande descolamento registrado no local ocorreu no início dos anos 1970.

O movimento mais recente foi registrado pela estação Halley, da British Antartic Survey (BAS), instituição do Reino Unido dedicada à pesquisa na região. Agora, pesquisadores vão analisar imagens de satélite para observarem o desprendimento com mais detalhes.

Descolamento era previsto

Imagem da estação Halley.Imagem da estação Halley.Fonte:  Thomas Barningham/Reprodução 

"Embora a ruptura de grandes pedaços de gelo na Antártica seja completamente normal, rompimentos como o detectado na plataforma Brunt na sexta-feira ainda são bastante raros e emocionantes", disse o professor Adrian Luckman, da Universidade de Swansea, no País de Gales, que previu o descolamento.

"Com três longas fissuras que se desenvolveram ativamente no sistema da plataforma Brunt nos últimos cinco anos, todos prevíamos que algo espetacular iria acontecer", disse Luckman à BBC. "O tempo dirá se esse descolamento fará com que mais blocos se quebrem nos próximos dias e semanas."

O icerberg formado a partir do fenômeno é grande, mas ainda menor do que o iceberg A68, que de desprendeu em julho de 2017 da plataforma de gelo Larsen C. De qualquer forma, ele será rastreado para evitar futuros riscos para a navegação. Além disso, por estar no mesmo quadrante Antártico (0-90W) em que o A68 se originou, ele também terá a letra "A" em seu nome — provavelmente se chamando A74.

Fontes