Asteroide passa a menos de 3 mil km da Terra e só é visto depois

1 min de leitura
Imagem de: Asteroide passa a menos de 3 mil km da Terra e só é visto depois
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

No último domingo (16), um asteroide do tamanho de um carro fez o sobrevoo mais próximo da Terra já registrado, sem colidir com o planeta, de acordo com o Space.com. E o curioso é que ninguém sabia da sua existência, até ele ser notado algumas horas depois de ter passado raspando por aqui.

Batizado pelos astrônomos de 2020 QG, o corpo celeste chegou a 2,9 mil km de distância da superfície terrestre, batendo o recorde de aproximação de um asteroide da Terra, entre os que não explodiram no ar, desde as primeiras observações da NASA.

As estimativas feitas por especialistas sugerem que a rocha espacial, descoberta cerca de seis horas após passar pelo planeta, tenha de 2 a 5,5 metros de diâmetro, ficando entre o tamanho de um carro pequeno e as medidas de uma camionete de cabine estendida.

A seta verde indica a trajetória do objeto, que passa raspando pela Terra.A seta verde indica a trajetória do objeto, que passa raspando pela Terra.Fonte:  Minor Planet Center/Reprodução 

Ele passou pela Terra a uma velocidade de 44,4 mil km/h, sobrevoando o hemisfério Sul por volta das 4 horas da manhã, no domingo, de acordo com as primeiras observações. Já a União Astronômica Internacional sugere uma trajetória ligeiramente diferente, indicando a sua passagem pelo oceano Pacífico, centenas de quilômetros ao leste da Austrália.

Por que ninguém viu?

Mesmo que o asteroide 2020 QG não tenha tamanho suficiente para causar uma catástrofe, a sua aproximação sem ser notado pelos pesquisadores deixou muita gente preocupada, com medo de tal falha acontecer novamente, com uma rocha maior.

De acordo com o diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA Paul Chodas, ele veio da direção do Sol e por isso não foi visto pelos telescópios, cujas observações são feitas principalmente no período noturno.

O corpo celeste só foi detectado pelo Observatório Palomar, na Califórnia (Estados Unidos), após passar pelo ponto de maior aproximação.

Asteroide passa a menos de 3 mil km da Terra e só é visto depois