Desde que entrou na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mencionou sua vontade de reiniciar as viagens espaciais para a Lua. No fim de 2017, Trump assinou um documento que oficializava esse desejo, mas somente agora a NASA parece estar se preparando de verdade para colocar astronautas em solo lunar mais uma vez.

O adminstrador da NASA, Jim Bridenstine, e outros oficiais da agência entregaram um projeto que deve testar veículos lunares até 2024, com pretensão de um retorno tripulado ao satélite natural até 2028. Bridenstine já descartou a possibilidade da construção de bases para que os astronautas possam se instalar na Lua, mas vem tornando a ida uma de suas prioridades.


Divulgação/NASA

Um pedido formal para companhias que queiram construir os módulos que pousarão na Lua já em março deve ser aberto, com a ideia de escolher uma empresa para ajudar a corrida espacial entre maio e julho deste ano. Cada contrato deve ser fechado em valores que podem variar de US$ 300 mil (aproximadamente R$ 1,1 milhão) e US$ 9 milhões (aproximadamente R$ 33,6 milhões). O administrador da NASA disse que a agência está disposta a trabalhar com empresas privadas, como Boeing, SpaceX e Blue Origin, assim como com agências espaciais internacionais.

Envio de robôs para pesquisa

Antes de o homem voltar à Lua, a NASA planeja outra expedição ao satélite com pequenos módulos autônomos que carregarão aparatos científicos. A ideia é que 12 ferramentas sejam enviadas para estudar, entre outras coisas, a possibilidade de existência de água na superfície. Caso isso aconteça,  pode ser o início da possível colonização do satélite, algo que ainda reside no reino da ficção científica.

Os próximos meses devem trazer mais detalhes sobre essas missões da NASA para a Lua.