Já pensou como seria bacana ver uma criatura de mais de 290 milhões de anos de idade caminhando fora dos filmes de ficção e efeitos especiais? Pois é, isso aconteceu devido a uma ajuda da tecnologia. John Nyakatura, biólogo evolucionista da Universidade Humboldt, localizada na Alemanha, se uniu a experts de robótica para recriar a aparência de um animal antigo: o Orabates pabsti.

A réplica foi construída trabalhando-se um osso de cada vez, de modo que o esqueleto produzido foi encaixado aos componentes eletrônicos necessários para que seu movimento fosse reproduzido na vida real. Claro que o ser não foi trazido de volta à vida, mas seus movimentos, sim  e de forma bastante satisfatória.

No fim, os pesquisadores conseguiram criar uma reprodução animatrônica do Orabates pabsti, que foi carinhosamente chamada de "OroBOT". O modelo desenvolvido não possui as dimensões exatas do corpo original do animal, já que foi necessário realizar algumas pequenas reduções para abrir espaço para as partes mecânicas a fim de que os movimentos tivessem aspecto natural.

Para criar o corpo do OroBOT, o time utilizou partes impressas por impressoras 3D e partes metálicas. Depois, a equipe buscou pegadas preservadas do animal como uma espécie de modelo para desenvolver o caminhar da criatura, tanto que a velocidade e os ângulos de movimentos foram alguns dos aspectos estudados cuidadosamente a fim de reproduzir a caminhada da forma mais real possível.

Caso o nome desse animal seja estranho para você, saiba que o OroBOT está representando uma criatura ágil e forte que lembra um pouco um crocodilo  principalmente por estar pronto para enfrentar mais de um tipo de ambiente. Agora, o OroBOT está disponível em uma exposição em Berlim, que segue até o dia 5 de fevereiro.