Os cientistas Manu Mannoor e Sudeep Joshi, do Instituto de Tecnologia Stevens, criaram uma forma bem inovadora (e curiosa) de produzir eletricidade. Eles desenvolveram uma rede de bactérias impressa em 3D que, quando entra em simbiose com o cogumelo, gera a energia elétrica.

Inicialmente, o casal de pesquisadores imprimiu tinta eletrônica em 3D, contendo nanofitas de grafeno, e a inseriu na parte superior do cogumelo, usando um padrão ramificado. Depois eles imprimiram, e introduziram, uma bio-tinta com cianobactérias em um padrão espiral.

Quando uma luz é acesa perto no cogumelo, a simbiose se inicia. Enquanto o cogumelo dá abrigo, umidade e nutrientes para as bactérias, elas lhe fornecem energia através da fotossíntese. As nanofibras de grafeno impressas junto com as bactérias capturam elétrons, que são liberados pelos micróbios durante a fotossíntese, produzindo bioeletricidade.

Os cientistas afirmaram que a quantidade de energia produzida ainda é irrisória, mas que eles vão continuar trabalhando numa forma de gerar correntes mais altas.

Seria interessante daqui para a frente, ao invés de árvores de natal, termos cogumelos de natal, que nem precisariam ser conectados a uma tomada.