Um relatório da BNEF (Bloomberg New Energy Finance), divulgado recentemente, apresentou estimativas em torno do cenário de geração de energia para 2050. A empresa acredita que, em apenas 33 anos, metade de toda a geração mundial será de energia renovável. 

Essa substituição de alternativas fósseis pela energia limpa terá grande importância para reverter danos climáticos. Para isso, o uso de combustíveis fósseis cairá até representar 29% da energia gerada, sendo que atualmente atinge em torno de 60%. Além disso, o carvão mineral, que hoje está em segundo lugar entre as fontes mais utilizadas, representará apenas 11%, segundo a nova pesquisa.

Um dos grandes fatores para chegarmos a 50% de renováveis é a grande queda nos custos de baterias e sistemas fotovoltaico (solar) e eólico — métodos que já seriam mais baratos do que construir usinas fósseis. Com relação às baterias com preços em queda, elas também serão chave para o novo cenário previsto, inclusive tornando os veículos elétricos muito mais acessíveis.

Sobre a eletricidade gerada por energia nuclear, o relatório não projeta um longo futuro. Todas essas previsões não levam em conta certas barreiras, principalmente a forma como o assunto será administrado no âmbito político. No entanto, os resultados da BNEF casam muito bem com os de outra pesquisa, divulgada no ano passado pela Agência Internacional de Energia. Segundo ela, em 2040 teremos 40% de geração renovável, graças ao crescimento da fotovoltaica e eólica na China e na Índia.